Governo de SP proíbe venda e uso de seringas Ibras CBO

O Centro de Vigilância Sanitária (CVS), da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, proibiu a comercialização e o uso das seringas e agulhas gengivais descartáveis, da marca Ibras CBO. A empresa Prodotti Laboratório Farmacêutico Ltda, comprou a empresa Ibras CBO, que encerrou suas atividades em dezembro de 2001, e passou a armazenar, distribuir, e montar os produtos com sua marca sem licença de funcionamento e sem responsável técnico.?Uma empresa não pode simplesmente comprar uma outra e continuar fabricando seus produtos, ela precisa da licença e de uma nova inspeção da Vigilância Sanitária (Visa) para poder produzir?, explica o diretor do Núcleo II, da Visa, Ado de Castro Bechelli.Além de ter que regularizar a nova indústria e sua produção, a Prodotti terá de recolher todas as unidades dos produtos distribuídos e apresentar o relatório correspondente à Visa. Os estabelecimentos que compraram esses produtos devem comunicar o fato à Visa mais próxima ou à Prodotti, para que a mesma efetue o recolhimento. A decisão da Visa está publicada no Diário Oficial do dia 30 de abril de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.