Governo de São Paulo tenta esvaziar caso de emendas

Base de Alckmin na Assembleia convida, e não convoca, Roque Barbiere; Bruno Covas deve falar só na Comissão de Meio Ambiente

Fernando Gallo / SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2011 | 22h33

 A base do governo na Assembleia Legislativa de São Paulo atuou ontem, na primeira reunião do Conselho de Ética sobre a suposta venda de emendas parlamentares, para evitar que o deputado Roque Barbiere (PTB) vá ao órgão submeter-se às perguntas dos parlamentares e para blindar o secretário de Meio Ambiente, Bruno Covas (PSDB).

 

O encontro foi secreto, a pedido do deputado Campos Machado (PTB), um dos membros do conselho. “Não vou aceitar essa questão de democracia. Isto é demagogia”, disparou. A base governista, que tem maioria no conselho, aprovou a proposta por seis votos a dois. As manifestações contrárias foram dos dois petistas da comissão.

 

O conselho aprovou um convite para que Roque Barbiere deponha na próxima quinta-feira. Por não se tratar de uma convocação, o deputado não é obrigado a comparecer. Durante a reunião, Campos Machado propôs que Barbiere preste depoimento por escrito em um prazo de até 30 dias a partir do momento em que for notificado do convite. A proposta foi vista por alguns parlamentares como uma tentativa da base de protelar as explicações e esvaziar as denúncias.

 

Durante todo o tempo, o líder do PTB insistiu que Barbiere tem de ser tratado como denunciante, e não como denunciado, o que implicaria que ele não pode vir a ser convocado a dar explicações. Como o regimento interno e o Código de Ética da Assembleia são vagos a respeito das prerrogativas do conselho, é provável que essa tese prevaleça.

 

Caso Covas, Simultaneamente à reunião do Conselho de Ética, o líder do PSDB, Orlando Morando, negociou a ida de Bruno Covas à Comissão de Meio Ambiente na próxima terça-feira. O secretário deverá tratar de questões relativas à sua pasta e também dos relatos que fez sobre uma tentativa de um prefeito de lhe pagar propina. A estratégia da base, neste caso, é esvaziar a necessidade de outro depoimento de Covas – no Conselho de Ética – e evitar que seu nome conste do relatório final sobre as acusações de venda de emenda.

 

O conselho volta a se reunir na quinta-feira que vem para apreciar os requerimentos do PT e do PSOL, que pedem o convite ao secretário Bruno Covas, ao deputado Major Olímpio (PDT) e aos ex-secretários da Casa Civil Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), hoje senador, e Luiz Antonio Guimarães Marrey.

 

Marrey afirmou nesta quinta-feira, 29, ao Estado que “tem uma lembrança” do requerimento de informações formulado por Barbiere à Casa Civil em 22 de dezembro sobre o funcionamento de emendas. “Mas são muitos papeis. Não foi algo que chamou a atenção especialmente”. E apontou para a gestão Alckmin: “(o documento) não foi apresentado em tempo hábil de ser respondido na nossa administração”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.