Governo de PE decreta calamidade no sertão

Na próxima terça-feira, o governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), decretará estado de calamidade pública para os 56 municípios do Sertão. O coordenador nacional da Defesa Civil, Mario Jorge de Carvalho, enviou um ofício ao governador, sugerindo a decretação da calamidade como forma de viabilizar o recebimento dos recursos federais para o combate à seca no Estado. A assessoria de comunicação da Câmara Setorial de Convívio com a Seca alertou, porém, que a decretação da calamidade deve ser tratada apenas como uma precaução. "Os recursos utilizados na compra das cestas e no pagamento dos caminhões-pipas vieram do orçamento do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), portanto podem ser usados nos municípios em emergência. No entanto, as próximas liberações são de fonte extraordinária e só poderão ser destinadas aos municípios com estado de calamidade reconhecida", explicou a assessoria. Técnicos da Comissão de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) já estão realizando o diagnóstico oficial de cada um dos 56 municípios do Sertão. Os relatórios devem ser entregues ao governador na próxima segunda-feira. As 70 cidades do Agreste continuam em situação de emergência. UniversidadesDentro de 10 dias, as universidades nordestinas deverão apresentar alternativas emergenciais e permanentes para o semi-árido. A proposta foi feita durante a reunião entre nove reitores da região e o ministro de Desenvolvimento Agrário (MDA), Raul Jungmann, na manhã de sexta-feira. Apesar de considerarem a iniciativa positiva, os representantes do meio acadêmico cobraram financiamentos para pesquisa. Uma nova reunião será realizada no Recife daqui a 15 dias, com as presenças dos ministros da Educação, Paulo Renato, e da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sademberg, além da secretária de Assistência Social, Wanda Engels. Já no próximo dia 12, o presidente Fernando Henrique Cardoso estará no Recife para apresentar o programa de combate aos efeitos da seca. As ações a serem adotadas pelo governo federal serão centradas na distribuição de bolsas-escola para jovens e adultos e bolsas-alimentação para as famílias atingidas pela seca, construção de cisternas, expansão da rede de saneamento e utilização de estoques de milho. Em Pernambuco, um levantamento da Secretaria de Produção Rural do Estado revela que 80% da safra está perdida. "Através dessa parceria com as universidades, nossa idéia é buscar estratégias mais duradouras que possam ser aplicadas não só no período de estiagem, mas também nos anos considerados normais, com base nos trabalhos que já são desenvolvidos pelo meio acadêmico no semi-árido", diz Jungmann, que também é o coordenador da Câmara Setorial de Convívio com a Seca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.