Governo dará assistência a alcoólatras e drogados

Alcoólatras e viciados em drogas receberão assistência médica e psicológica em centros de desintoxicação criados pelo governo federal. De início, o Ministério da Saúde planeja patrocinar a instalação de 120 Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) para Usuários de Álcool e outras Drogas em capitais e municípios com mais de 200 mil habitantes. Os parentes dos dependentes químicos também poderão contar com o acompanhamento nos CAPs, que oferecerão atividades comunitárias, orientação profissional e desintoxicação. Cada centro terá capacidade para atender 200 pacientes por mês, sendo que 40 pessoas ganharão tratamento intensivo; 60, semi-intensivo e 100, tratamento ambulatorial. O atendimento será em grupo ou individual. O secretário de Assistência à Saúde do Ministério da Saúde, Renilson Rehem, antecipa que a meta é criar 200 centros de atendimento a dependentes químicos até 2004. Para construir e manter os primeiros 120 centros, o governo gastará R$ 21 milhões, neste ano. Além disso, R$ 1,89 milhão será aplicado em convênios para capacitação de profissionais com as universidades de São Paulo (USP), de Brasília (UnB) e a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). No Estado de São Paulo serão instalados, inicialmente, 33 centros, abrangendo a capital e outras cidades do interior como São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e Campinas. O Rio de Janeiro, com 13 centros, é o segundo maior beneficiado com o novo Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada a Usuários de Álcool e outras Drogas, lançado esta semana. Os centros deverão funcionar em dois turnos, entre 8 horas e 17 horas. Porém, alguns municípios manterão atendimento até às 20 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.