Governo cria estratégia para responder a ACM

O governo decidiu, na reunião desta manhã no Palácio da Alvorada, uma estratégia para responder os últimos ataques do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), que desde a última quarta-feira tem feito sérias críticas ao presidente Fernando Henrique Cardoso, chegando a chamá-lo de omisso, e a declarar que o presidente ajudou Jáder Barbalho (PMDB-PA) na vitória à presidência do Senado. O líder do governo no Congresso, deputado Arthur Virgílio (PSDB-AM), foi escalado para responder às acusações. A idéia é tirar do foco o presidente Fernando Henrique, que não deve responder ao senador, nem mesmo por meio de seu porta-voz hoje à tarde. Com relação às denúncias de ACM de corrupção no governo, a resposta ficará a cargo da Advocacia-Geral da União. A intenção do Planalto com isso será tentar diminuir a dimensão das declarações de ACM. Participaram da reunião nesta manhã, no Palácio da Alvorada, com o presidente Fernando Henrique, o presidente da Câmara, Aécio Neves, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Aloysio Nunes Ferreira, e os líderes governistas no Senado, José Roberto Arruda, e no Congresso, Arthur Virgílio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.