Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Governo consulta deputados sobre legalização de jogos de azar

A medida poderia ser um incremento de arrecadação de tributos para o governo, que vive situação fiscal difícil

Bernardo Caram e Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2015 | 16h05

Brasília - Em reunião na manhã desta quinta-feira, 17, com a presidente Dilma Rousseff e ministros, líderes da base aliada foram consultados se seria bem recebida a ideia de legalizar jogos de azar no País.

O tema foi apresentado à presidente no início da semana por senadores, que propunham inicialmente a liberação dos jogos pela internet. Nesta quinta, a possibilidade foi apresentada aos deputados, incluindo a ideia de legalização de bingos e cassinos. De acordo com o líder do PP na Câmara, Eduardo da Fonte (PP), Dilma consultou os presentes à reunião para saber a impressão de cada um.

A medida poderia ser um incremento de arrecadação de tributos para o governo, que vive situação fiscal difícil. "Hoje, quem quer jogar, joga na internet e os recursos vão para fora do País", disse o deputado. Também participaram do encontro os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e das Comunicações, Ricardo Berzoini, além do assessor especial da Presidência, Giles Azevedo.

Segundo o líder do PR, Maurício Quintella Lessa (AL), os ministros e a presidente evitaram se posicionar oficialmente sobre a proposta. "O que fizeram foi uma consulta", afirmou. Na conversa, os deputados se comprometeram a consultar suas bases. Um retorno sobre a questão será apresentado na segunda-feira (21) em reunião com Berzoini, que está atuando na articulação do Palácio do Planalto com o Congresso.

Lessa é favorável à ideia por acreditar que pode trazer recursos ao País e desenvolver o turismo. O deputado é autor de um dos projetos sobre o tema que tramitam na Casa. A proposta de 2008, que nunca foi votada, trata da legalização de cassinos e hotéis cassinos, além de definir critérios para exploração do "jogo do bicho".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.