Reprodução/Diário Oficial da União
Reprodução/Diário Oficial da União

Governo confirma nomeação de ex-superintendente do RJ como nº 2 da PF

Novo chefe da corporação, Rolando de Souza, convidou Carlos Henrique Oliveira para o cargo de diretor-executivo; promoção foi vista como uma forma ‘estratégica’ de mudar o comando da PF

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2020 | 03h00

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Luiz Mendonça, nomeou o ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro Carlos Henrique Oliveira como o novo diretor-executivo - o cargo número dois - da corporação. A nomeação foi divulgada em publicação do Diário Oficial desta quarta-feira, 13.

Oliveira ocupará o lugar do delegado Disney Rosseti, cuja exoneração também foi comunicada na mesma edição do diário. Apesar de ainda não ter sido nomeado oficialmente, quem substituirá Oliveira, por sua vez, é o delegado Tácio Muzzi. Ele já chefiou a Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros e chegou a assumir interinamente o cargo de superintendente no ano passado.

Um dos primeiros atos do novo diretor-geral da PF, Rolando Alexandre de Souza, após sua posse no dia 4 de maio, foi trocar o comando da superintendência da corporação no Rio. Em seguida, Carlos Henrique Oliveira foi convidado por Rolando para assumir a direção-executiva da PF, o que o coloca como número dois do novo diretor. A promoção foi vista por delegados como uma forma "estratégica" de trocar o comando da Polícia Federal fluminense.

Vídeo

Ao anunciar sua saída do governo Jair Bolsonaro, o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro acusou o presidente de suposta interferência política na PF envolvendo trocas na Diretoria-Geral e em superintendências regionais da corporação.

Um inquérito foi aberto no Supremo Tribunal Federal e um vídeo de uma reunião ministerial citado por Moro como prova foi exbido nessa terça-feira, 12, para investigadores e outras partes envolvidas

Fontes que acompanharam a exibição do vídeo da reunião ministerial ocorrida em 22 de abril no Palácio do Planalto avaliam que o conteúdo da gravação "escancara a preocupação do presidente com um eventual cerco da Polícia Federal a seus filhos" e que Jair Bolsonaro justificou a necessidade de trocar o superintendente da corporação no Rio de Janeiro à defesa de seus próprios filhos alegando que sua família estaria sendo "perseguida". O presidente aparece no vídeo chamando a superintendência fluminense da PF de “segurança do Rio”, segundo relatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.