Governo coloca general na Funai para cuidar de desenvolvimento sustentável

Nomeação de militares para cargos na Funai tem sido criticada por organizações representativas dos povos indígenas

André Borges, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2017 | 14h32

BRASÍLIA – O governo nomeou nesta quinta-feira, 12, o general da reserva Franklimberg Ribeiro de Freitas para ocupar a Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável (DPDS) da Fundação Nacional do Índio (Funai).

A nomeação, publicada no Diário Oficial da União pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, também exonera do cargo Artur Nobre Mendes, servidor de carreira que ocupava o cargo.

Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado Maior do Exército, Franklimberg é general de brigada, assessor de relações institucionais do Comando Militar da Amazônia. Como oficial general, comandou a 1ª Brigada de Infantaria de Selva em Roraima e foi chefe do Centro de Operações do Comando Militar da Amazônia.

A indicação de Franklimberg já era cogitada há alguns meses. A nomeação de militares para cargos na Funai tem sido criticada por organizações representativas dos povos indígenas. No ano passado, a informação de que o governo analisava a indicação do general da reserva do Exército Sebastião Roberto Peternelli Júnior para presidir a Funai causou indignação entre os indígenas e organizações, levando a protestos na sede da Funai, em Brasília. As indicações foram feitas pelo PSC (Partido Social Cristão), que concentra a bancada mais conservadora do Congresso.

Desde que o presidente Michel Temer assumiu o cargo, a Funai segue com um presidente “substituto”. Atualmente, a função na autarquia vinculada ao Ministério da Justiça é ocupada por Agostinho do Nascimento Netto.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Funai

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.