Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo cancela viagem de Damares a Palestina e Israel

'Missão Palestina' ocorreria às vésperas da guerra na Ucrânia, mas desgaste provocado por gastos com viagens de Mário Frias obrigou a revisão de planos

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2022 | 05h00

BRASÍLIA - A ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) cancelou uma viagem oficial que faria à Palestina e a Israel, no Oriente Médio, às vésperas da guerra na Ucrânia. A viagem era conhecida no ministério como “Missão Palestina”. Damares visitaria um campo de refugiados na Cisjordânia, marcado por conflitos frequentes com militares israelenses.

Diplomatas envolvidos nos preparativos atribuíram o cancelamento a uma ordem do Palácio do Planalto. O penúltimo compromisso público do presidente Jair Bolsonaro antes de decolar para Moscou, onde visitou o presidente Vladimir Putin e manifestou “solidariedade” à Rússia, foi uma audiência com Damares. A data da viagem dela coincidiria com a do presidente.

Bolsonaro viajou para a Rússia e a Hungria entre 14 e 17 de fevereiro. Havia autorizado a viagem da ministra, entre 11 e 19 de fevereiro, com despesas cobertas pelo governo. Damares iria a Tel-Aviv, Jerusalém, em Israel, e a Ramala, na Palestina, para “prospectar oportunidades de cooperação internacional”.

O cancelamento daquele roteiro ao epicentro de um conflito secular entre árabes e israelenses ocorreu depois que Bolsonaro sofreu desgaste com despesas de viagem do secretário especial da Cultura, Mário Frias, aos Estados Unidos. Frias e um assessor gastaram R$ 39 mil cada, para um encontro com o lutador bolsonarista Renzo Gracie.

Na mesma semana em que Damares cancelou a missão à Palestina e Israel, Bolsonaro determinou que Frias fosse excluído da visita à Rússia e das passagens posteriores por Hungria e Polônia.

A “Missão Palestina” também envolveria assessores de Damares, como a secretária nacional de Políticas para Mulheres, Cristiane Britto, e o secretário nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Maurício José Cunha. Outros quatro assessores embarcariam, todos com despesas custeadas pela União.

Damares mobilizou embaixadores do Itamaraty, em Brasília, Ramala e Tel-Aviv para preparar a viagem, além de sua equipe. O cancelamento repentino surpreendeu os diplomatas porque as passagens já estavam emitidas.

Para o governo, porém, a presença de Damares no Oriente Médio, a poucos meses da campanha eleitoral, também poderia reavivar uma promessa de 2018 nunca cumprida por  Bolsonaro: a transferência da embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém.

A mudança, temida na diplomacia, é incentivada por evangélicos apoiadores do presidente. A ministra, por sua vez, é pastora da Igreja Batista da Lagoinha.

Protestos

Embora agrade aos israelenses, a ideia motivou protestos no mundo árabe. Jerusalém é uma cidade disputada pelos dois povos, com locais sagrados para judeus, muçulmanos e cristãos. A alteração implicaria num  reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. E a tradição do Brasil é apoiar a solução de dois Estados.

O governo tem buscado se equilibrar na disputa entre palestinos e israelenses. Foi o que ocorreu na mais recente viagem do presidente a países árabes do Golfo Pérsico, em novembro de 2021, como mostrou o Estadão

Dois anos antes, quando Bolsonaro voltou de Israel e anunciou a abertura de um escritório comercial em Jerusalém, diplomatas do Itamaraty realizaram uma viagem para acalmar a situação e dar explicações aos países árabes. Passaram por Catar, Jordânia e Emirados Árabes. Todos os embaixadores brasileiros na região foram convocados para receber instruções, numa reunião em Dubai.

Ao Estadão, a assessoria da ministra disse que ela cancelou a viagem por motivos de saúde. E que, se Damares não deixar o cargo no fim deste mês para disputar o Senado, como deseja o presidente, poderá retomar a missão no fim de abril ou início de maio.

A ministra disse a diplomatas estrangeiros que a razão do adiamento da viagem era uma restrição de ordem médica a deslocamentos longos, pois havia passado por atendimento de emergência. Damares cumpriu agenda normalmente em Brasília, nos últimos dias, e em 28 de fevereiro foi a Genebra, na Suíça, a fim de participar da sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

A viagem de Damares começaria por Israel. Ela iria a convite da embaixada daquele país em Brasília e já havia se reunido com o embaixador Daniel Zonshine. Um mês antes, recebera no ministério o embaixador da Palestina, Ibrahim Alzeben.

Na segunda etapa da viagem ao Oriente Médio, Damares se reuniria com o Conselho de Cidadãos Brasileiros na Palestina, iria a Belém e ao campo de refugiados Arroub, onde um adolescente palestino de 17 anos foi morto no ano passado. Além disso, visitaria os ministérios da Mulher, a convite da ministra Amal Hamad, em Ramala. No ano passado, Damares participou de um webinário sobre empreendedorismo feminino para brasileiras na Palestina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.