Governo beneficia entidade ligada à invasão da Aracruz

Ministério do Desenvolvimento Agrário vai repassar R$ 492,7 mil à Associação Nacional das Mulheres Camponesas

AE, Agencia Estado

24 de janeiro de 2008 | 08h22

O Ministério do Desenvolvimento Agrário vai repassar R$ 492,7 mil à Associação Nacional das Mulheres Camponesas, entidade da qual fazem parte ativistas que depredaram um viveiro de mudas da Aracruz Celulose em março de 2006, em Barra do Ribeiro, no Rio Grande do Sul. O dinheiro deve ser usado na elaboração, edição e distribuição de cartilhas para divulgar práticas produtivas sustentáveis ao longo do ano. Serão produzidas 40 mil cartilhas, 105 mil folders, 15 mil cartazes, spots de rádio para difusão em comunidades rurais e vídeos para divulgação. Porém, o convênio preocupa dirigentes ruralistas do Rio Grande do Sul, que contestam a distribuição de verbas para uma organização que abriga participantes da invasão a uma propriedade privada. ?São verbas polpudas que o governo distribui para o dito movimento social, via suas organizações e cooperativas, que acabam financiando atos de vandalismo?, disse o presidente da Comissão Fundiária da Federação da Agricultura no Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Pereira.Segundo Pereira, o departamento jurídico da entidade está analisando o caso e pode pedir a intervenção do Ministério Público para esclarecer como será feita a aplicação do dinheiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.