Governo argentino vê saída de Palocci com "cautela"

O governo Néstor Kirchner vê a saída de Antonio Palocci do Ministério da Fazenda com "cautela", segundo funcionários dos ministérios da Economia e das Relações Exteriores da Argentina ouvidos pela BBC Brasil.De acordo com as avaliações, ainda é preciso ver se o substituto de Palocci, Guido Mantega, terá o mesmo ?poder político? para pôr em prática as medidas econômicas, incluindo as que são de interesse dos países do Mercosul."É um momento de prestar atenção, mas é cedo para qualquer conclusão?, disse um dos funcionários, que pediu anonimato. "É um momento de incertezas, mas agora é esperar para ver se o novo ministro manterá a linha econômica e se continuará entendendo, como fazia Palocci, as demandas dos vizinhos do Brasil no Mercosul", afirmou outro.Sem surpresaNos círculos econômicos argentinos, o afastamento de Antonio Palocci do Ministério da Fazenda foi recebido sem muita surpresa na Argentina.Os consultores ouvidos pela BBC Brasil não esperam mudanças na condução da política econômica. "Essa era uma saída esperada e talvez ligada às questões eleitorais no Brasil?, disse o tributarista Raul Ochoa, especializado em questões do Mercosul.A opinião foi repetida pelo economista Mariano Flores Vidal, da consultoria IBCP, dedicado aos assuntos de finanças e macroeconomia. Segundo Vidal, apesar da troca, a política econômica continuará a mesma. "Essa é uma política bem definida, baseada na ortodoxia e na forte austeridade fiscal, controle da dívida e a busca da queda da taxa de risco país, para atrair mais investimentos", disse o economista.AcusaçõesAs emissoras de rádio e de televisão da Argentina interromperam a programação para informar a queda de Palocci logo depois que a informação foi divulgada no Brasil.A TV "America24" afirmou que o ministro renunciou devido a acusações de corrupção e de participação em festas suspeitas em Brasília acompanhado por pessoas da sua cidade (Ribeirão Preto), em Brasília.Já o jornal on line ?Infobae? colocou na sua manchete. "Crise no Brasil: renunciou o ministro da Fazenda". No texto, destaca-se que Palocci deixou o cargo diante das "pressões" depois de denúncias de corrupção.A possibilidade da substituição do ministro já havia sido assunto dos principais jornais nesta segunda-feira. Mesmo assim, a Bolsa de Buenos Aires fechou com leve alta de cerca de 1% - antes do anúncio da demissão de Palocci.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.