Governo apoiará cursinhos pré-vestibular para carentes

Estudantes negros, indígenas e carentes que cursam ou que já concluíram o ensino médio serão beneficiados com o Diversidade na Universidade - Projeto Inovação, programa de reforço escolar que o Ministério da Educação vai criar com recursos da União e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Serão investidos US$ 10 milhões, sendo US$ 5 milhões do BID e US$ 5 milhões de contrapartida do Tesouro Nacional. O dinheiro será investido ao longo de um período experimental de três anos, em parceria com universidades e com entidades não-governamentais que já contam com cursos pré-vestibulares destinados a alunos carentes.O protocolo de intenções foi assinado, ontem, em Fortaleza, durante a 43ª Reunião Anual dos Governadores do BID, pelo ministro da Educação, Paulo Renato Souza, e pelo presidente do BID, Enrique Iglesias. Numa fase inicial, o programa beneficiará 10 mil alunos em sete Estados brasileiros - Maranhão, Pará, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Bahia e Rio Grande do Sul. Depois, será avaliado e estendido ao restante do País. De acordo com Paulo Renato, é necessário dar a essa faixa da população condições de competir a uma vaga no ensino superior."Nós estamos tendo uma grande incorporação de população pobre, negros e indígenas no ensino médio. E, como essa população vem de uma família de baixa escolaridade, em geral, tem mais dificuldade no processo de ensino e aprendizagem", explicou Paulo Renato. Nos últimos sete anos, segundo estudos do MEC, a matrícula no ensino médio cresceu 71%, em virtude de programas direcionados às camadas mais pobres. O número de vagas nas universidades públicas brasileiras também aumentou 33%. Mas esse acréscimo não contemplou a população mais carente.Coordenado pela Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec/MEC), o projeto está estruturado para trabalhar em quatro frentes: 25% dos recursos serão usados no desenvolvimento de estudos e pesquisas para orientar as políticas de inclusão social; 25% para fortalecimento institucional e desenvolvimento profissional - capacitação de professores do ensino médio, produção, aquisição e distribuição de materiais referentes à desigualdade racial; 35% para apoiar projetos inovadores de acesso ao ensino superior; e o restante dos recursos será investido na divulgação dos resultados do programa. O material didático ficará sob responsabilidade dos cursinhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.