Governo adia novamente reunião que debateria Angra 3

O governo decidiu adiar mais uma vez a reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que estava marcada para a tarde de quarta-feira. A expectativa era de que nesse encontro fosse discutida a polêmica proposta de construção da usina nuclear Angra 3. A informação sobre o adiamento foi divulgada nesta noite pela assessoria do ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, que preside o conselho. Segundo a assessoria, a reunião não acontecerá nesta quarta por dificuldades de compatibilização das agendas dos integrantes do CNPE. Ainda não foi definida nova data para o encontro.A justificativa apresentada pela assessoria nesta terça-feira é a mesma divulgada por ocasião do adiamento da reunião prevista para a semana passada.A construção de Angra 3 é um assunto polêmico dentro do governo. O ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, apóia a idéia; a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, é contra; o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, assim como dirigentes do PT, sempre foram contrários, mas, atualmente, o presidente não tem se manifestado sobre o assunto.Silas defende energia nuclearHá duas semanas, após participar de uma audiência pública no Senado, o ministro Silas Rondeau declarou: "Sou um defensor da fonte de geração nuclear para o Brasil". Segundo ele, o Brasil não poderia abandonar a vantagem de ter a sexta maior reserva de urânio do mundo, e o custo da energia nuclear de Angra 3 estaria próximo ao custo da energia produzida a partir de carvão mineral. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, por sua vez, já declarou sua preocupação com a dificuldade de armazenamento seguro dos resíduos nucleares, radiativos e letais.Integram o CNPE os ministérios de Minas e Energia, Casa Civil, Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão, Ciência e Tecnologia, Meio Ambiente, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Integração Nacional e Agricultura, além de um representante das universidades e um representante dos Estados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.