Governar pede superação de questões regionais, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff comentou nesta sexta-feira, 01, as dificuldades de relacionamento da aliança entre PT e PMDB em diversos Estados, Dilma disse que a aliança que forma a base do governo tem dinamismo e que os partidos não homogêneos. Ressaltou que a base não é formada apenas pelo seu partido, o PT, e o do vice Michel Temer, o PMDB. Para a presidente, no governo a política nacional se sobrepõe às questões regionais.

JOSÉ ROBERTO CASTRO E RENAN CARREIRA, Agência Estado

01 de novembro de 2013 | 11h37

Mas Dilma preferiu falar, em entrevista às rádios de Salvador, sobre as realizações no setor de mobilidade urbana. Segundo ela, o governo federal está fazendo investimentos no setor, em todo o País, num volume que já soma R$ 140 bilhões.

"O meu amigo Jaques Wagner (governador da Bahia) acabou de me passar um papel aqui dizendo que os investimentos em mobilidade urbana chegam a R$ 8 bilhões só em Salvador," afirmou ela, em entrevista a rádios locais de Salvador.

Violência

A presidente voltou a repudiar a violência vista em manifestações populares, principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo. Mantendo o discurso de que as manifestações democráticas são legítimas e apoiadas pelo governo, mas que a violência deve ser coibida pelos poderes Executivo e Judiciário, Dilma condenou a atuação dos chamados Black Blocs.

Segundo a presidente, este tipo de manifestação não é exemplo da "civilização da democracia, mas da barbárie". Dilma comentou a reunião realizada esta semana em Brasília entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e os secretários de Segurança de São Paulo e do Rio, Fernando Grella e José Mariano Beltrame, respectivamente.

Dilma afirmou que o encontro serviu para "definir ações coordenadas entre as polícias e definir métodos" de atuação no combate à destruição do patrimônio público e privado. A presidente repetiu o termo usado por um entrevistador e utilizou a palavra "fascistas" para se referir aos manifestantes violentos.

A presidente informou que o governo federal está montando um banco de informações comum entre Estados e a União para combater o crime. "Essa estrutura, esse portal único, é crucial para combate ao crime organizado", afirmou ela, em entrevista a rádios locais de Salvador, ao ser questionada sobre as políticas do governo para enfrentar a violência.

Dilma disse ainda que a questão da segurança pública é estratégica. "O governo federal tem uma política, que é apoiar os governos estaduais na questão da segurança pública." A presidente assumiu que o governo federal é responsável pelo controle das fronteiras. "Drogas e armas, que alimentam o crime organizado, entram pelas fronteiras." Ela citou que o governo tem o Plano Estratégico de Fronteiras para cuidar dessa questão.

Logo mais, na capital baiana, Dilma participa da inauguração da Via Expressa Baía de Todos os Santos.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaentrevistaSalvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.