Governadores tucanos insistirão em renegociar dívida

Os governadores do PSDB vão insistir nesta segunda-feira, durante reunião no Palácio de Iracema, na renegociação da dívida dos Estados com a União, um tema indigesto pela equipe econômica, mas que angustia a maioria dos governos estaduais.O governador de Goiás, Marconi Perillo, chega ao encontro com uma alternativa: que os Estados passem a assumir a manutenção de obras federais, como estradas, tirando recursos do pagamento mensal da dívida. Mensalmente, Goiás paga R$ 46 milhões para a União de serviço da dívida, que significa 21% da receita líquida do Estado.A queixa de Perillo, comum a outros governadores, é que por conta da precariedade das rodovias federais, os usuários buscam alternativas nas estaduais. Com isso, o prejuízo vai para os cofres dos Estados, além da destruição da malha estadual."Já estamos com problemas de escoamento da produção por causa da situação das estradas, e as federais estão chegando a um colapso", disse o governador. Os governadores nordestinos também vão reclamar do estado das rodovias, sobretudo em função das enchentes que atingiram a região nos últimos meses.PPPOs governadores do PSDB vão reivindicar também melhor nitidez nas regras do projeto que institui as Parcerias Público-Privadas (PPP) para dar mais tranqüilidade aos investidores. Os tucanos querem ainda mais recursos para o fundo de compensação das exportações, com o objetivo de completar o montante de R$ 8,5 bilhões acordados na negociação da reforma tributária.A liberação mensal de parcela da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (Cide) também será cobrada, já que o governo quer repassar os recursos trimestralmente, alterando o acordo feito com os governadores."Se for assim, o último trimestre será pago em 2005, ou seja, os Estados perdem de cara um quarto dos recursos", disse o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.