Governadores recusam mudança na reforma da previdência

Os governadores do Nordeste reunidos hoje na capital do Piauí defenderam a manutenção do texto original da reforma da Previdência. Eles informaram que farão estudos próprios para serem usados nas negociações durante a tramitação do projeto no Congresso. Os governadores temem que as mudanças em estudo acabem prejudicando as finanças estaduais. O ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, que participou do encontro, garantiu que não houve recuo do governo.A governadora do Rio Grande do Norte, Wilma de Farias (PSB), que representará o Nordeste na reunião desta terça-feira com os ministros da Casa Civil, Fazenda e Previdência, em Brasília, afirmou que precisa haver apoio de todos os governadores à reforma para acabar com os privilégios. "O governo federal não pode recuar. A reforma visa trazer a justiça social e combater privilégios", disse. Também estarão na reunião os governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB); do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto (PMDB); e do Amazonas, Eduardo Braga (PPS).Segundo o ministro da Previdência, o diálogo com os governadores continua aberto. "Há a sensibilidade do PT para abrir espaço para eventuais mudanças. Nós entendemos o texto original da Previdência como uma proposta justa, no entanto, não há arrogância por parte do governo e podemos examinar esta proposta e aperfeiçoá-la", disse.Em Belo Horizonte, o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB) disse que defenderá a manutenção da proposta original da reforma da Previdência, na reunião de amanhã em Brasília. Segundo ele, os Estados estão abertos a sugestões, desde que os itens que signifiquem perdas de receita para os Estados venham acompanhados de compensações.

Agencia Estado,

14 de julho de 2003 | 19h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.