Governadores querem renúncia de Temer em favor de Jobim

Reunidos nesta terça-feira, 27, no Palácio Laranjeiras, a convite do governador Sérgio Cabral Filho, cinco governadores peemedebistas decidiram tentar convencer o deputado Michel Temer (SP) a renunciar à candidatura à presidência do partido em favor do ministro do STF Nelson Jobim, que tem o apoio do grupo. Cabral, Marcelo Miranda (TO), Luis Henrique (SC), Roberto Requião (PR) e Eduardo Braga (AM) acreditam que a candidatura de Jobim, também presente ao encontro, representa o entendimento e a modernização do partido. Não compareceram à reunião no Laranjeiras André Puccinelli (MS) e Paulo Hartung (ES), mas Cabral assegurou que falará com Temer em nome dos sete governadores do PMDB. "Assim que acabar a coletiva vou procurar Michel Temer e propor um encontro aqui no Rio de Janeiro para trocar idéias com ele", disse Cabral. "Devemos lutar pelo entendimento e pela unidade do partido e temos Nelson Jobim como a solução. Todos têm respeito por Michel Temer, mas vamos buscar o entendimento com ele", completou. Cabral afirmou que o prazo para esse acordo é exíguo porque o registro das chapas no Diretório Nacional termina no dia 3 de março. "O PMDB tem a tradição de chapa única no Diretório Nacional... Os governadores acreditam que ainda é possível um entendimento. Vamos esgotar todas as possibilidade", afirmou Cabral. Segundo o governador do Rio, a idéia dos governadores do PMDB é oferecer a Temer um cargo na Executiva Nacional para que ele possa contribuir no processo de modernização do partido. Os governadores também pretendem chamar outros ex-presidentes da legenda, como Maguito Vilela, Orestes Quércia e Paes de Andrade, para colaborar nesse processo. "O PMDB tem um papel extraordinário a ser desenvolvido nos próximos anos, na avaliação de projetos e propostas. O PMDB tem que ter opinião sobre reforma tributária, meio ambiente, pacto federativo e outros assuntos em pauta", defendeu Cabral. Nelson Jobim reiterou que não trabalha com a hipótese de deixar a disputa pela presidência do partido. "Não há possibilidade de eu ser vice na chapa do Temer. Chegou o momento da mudança", pregou Jobim. Em Brasília, Temer afirmou já ter recebido um telefonema de Sérgio Cabral, propondo uma reunião com a sua presença, a de Nelson Jobim e dos governadores, "mas já disse que não tenho condições de abrir mão da presidência". Texto atualizado às 18h04

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.