Governadores querem guarda nacional

A novaonda de greves das polícias militar e civil, que mantém em estado de alerta diversos Estados brasileiros, pode tirar da gaveta oprojeto de criação de uma guarda nacional.Acuados pelas manifestações dos policiais, alguns governadores de Estado vêmdefendendo a idéia, frisando que a unificação das polícias militar e civil pode ser uma boa solução para o impasse nascorporações.Esse foi um dos pontos abordados na reunião promovida pelo presidente Fernando Henrique Cardoso com um grupode 10 chefes de governo que têm enfrentado mobilizações de policiais.Os governadores discutiram ainda a possibilidade deserem adotadas condutas semelhantes nos Estados quando houver paralisações, como forma de coibir as mobilizações.?Temos que repensar a questão do policiamento e da segurança no País, pensar em uma guarda nacional e na junção daspolícias?, disse o governador da Bahia, César Borges (PFL).?Os governadores e os poderes constituídos têm de ter algumaproteção, nesse momento, em que, rapidamente, alguma força superior possa intervir dando paz, tranqüilidade e segurança para apopulação?.A guarda nacional, explicou, poderia ser formada pelas próprias Forças Armadas. A Polícia Militar seria subordinadaao Ministério da Defesa.?Temos que sair desta reunião com uma proposta que possa chegar rapidamente ao Congresso, comapoio político dos governadores e do presidente da República para que aprovemos rapidamente?, defendeu. ?Hoje, o País estáintranqüilo diante desses motins?.A proposta de dar poder de polícia às Forças Armadas, o controle das PMs pelo Exército e a ajuda que o governo federal podedar aos Estados também estava na pauta do encontro realizado no Planalto.?As PMs hoje têm arma e veículos melhores, coletesà prova de bala, além de estarem recebendo treinamento de qualidade?, declarou o ministro da Justiça, José Gregori, antes dareunião.?O governo federal, com o plano nacional de segurança pública está melhorando a situação das polícias.Vamos continuar ajudando os governos no que for preciso, menos em relação a salários?, observou Gregori, depois de advertirque todo apoio será dado sempre que for necessário.?Mas o diálogo e a ajuda cessarão se houver greve. Teve motim, baderna ougreve, aí não tem conversa?, advertiu Gregori, com total apoio do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI),general Alberto Cardoso.Borges declarou-se favorável a que as Forças Armadas tenham poder de polícia e negou que a medida, emestudo pelo Palácio do Planalto, seja uma volta ao passado.?Retrocesso é acabarmos com o estado democrático de direito,colocando uma polícia militar que foi armada para dar proteção à população ameaçando os poderes constituídos?, comentou.?Opoder de polícia para o Exército ajuda muito. Se não fosse o Exército em Salvador, dificilmente nós conseguiríamos conter aquelaonda de violência que foi causada pelos próprios amotinados?.Na sua opinião, a solução desse problema envolve a criação de algum mecanismo para socorrer os governadores durante essesconflitos, pelo tratamento político do que qualificou como o crescente partidarismo das corporações policiais e, finalmente, pelarevisão da gestão de recursos humanos, com maior investimento em salários e capacitação profissional para os policiais militarese civis.?O que desejamos é uma PM equipada e competente, bem treinada e bem remunerada para servir bem à população?.César Borges descartou que as greves tenham como pano de fundo apenas a questão salarial. ?Não vamos deixar de ter sempreos insufladores de greve, que o Brasil conhece e sabem quem são, que procuram deflagrar esses movimentos para tirar proveitospolíticos, partidários e eleitorais e que levam à insegurança da população?.Na reunião com o presidente Fernando Henrique estiveram presentes os governadores da Bahia, Pará, Distrito Federal,Pernambuco, Rio Grande do Norte, Tocantins, São Paulo, Paraná, Alagoas e Ceará.Pelo governo federal estavam tambémpresentes os ministros da Justiça, do Gabinete de Segurança Institucional, da Secretaria-Geral, o advogado da União e o chefedo Estado-Maior de Defesa, representando o Ministério da Defesa.O porta-voz do Planalto, Georges Lamazière, explicou que foram convidados para a reunião os governadores que estavamenfrentando problemas nos Estados, no momento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.