Governadores do NE defendem nova CPMF

Governadores do Nordeste reunidos nesta segunda-feira, 21, em encontro em Barra dos Conqueiros, Sergipe, defenderam a volta de um mecanismo para o financiamento da saúde, nos moldes da CPMF, extinta pelo Senado em 2007.

Julia Duailibi, enviada especial de O Estado de S.Paulo em Sergipe,

21 de fevereiro de 2011 | 16h11

 

“É fundamental que tenhamos uma fonte de recursos para custeio. É fundamental implementarmos uma nova contribuição”, declarou o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), ao chegar ao Fórum dos Governadores do Nordeste.

 

O governador da Bahia, Jacques Wagner (PT), seguiu a mesma linha. Segundo ele, “8% ou 10%” da população devem ajudar a prover recursos para atender “85% da sociedade”. “Sou a favor de uma nova contribuição, sim”, completou Wagner.

 

Tanto Wagner quanto Cid não deram detalhes de como seria esse novo instrumento de financiamento. A CPMF foi extinta em 2007, depois de ser derrubada no Congresso, numa das principais derrotas no Legislativo do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

 

O governador de Alagoas, Teotônio Vilela, disse não ter “posição definida. “Mas apoiarei, se a proposta for colocada”, disse.

 

A governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini (DEM), disse ser contra a criação de um novo tributo, assim como o anfitrião, o governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).

 

“Sou contra a criação de uma nova contribuição. Sou a favor da regulamentação da emenda 29″, afirmou Rosalba. “Aumentar a carga tributária não é o caminho neste momento”, disse Campos.

 

Os governadores defenderão a regulamentação da emenda 29, que fixa porcentuais mínimos de investimento na área da saúde pela União, Estados e municípios.

 

Participam do encontro os governadores do Nordeste e o governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB). A presidente Dilma Rousseff também participa do evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.