Arte/Estadão
Arte/Estadão

Governadores debatem saída para a crise em live promovida pelo Estadão  

Helder Barbalho (PA), Wellington Dias (PI) e Renato Casagrande (ES) participam de encontro mediado por Luiz Felipe D'ávila a partir das 14 horas 

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2021 | 12h20

O Estadão convidou os governadores do Pará, Helder Barbalho (MDB), do Piauí, Wellington Dias (PT), e do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), para debater hoje, a partir das 14h, saídas para a grave crise social, econômica e sanitária causada pela pandemia do novo coronavírus.

Diante da dificuldade do governo federal de direcionar e coordenar esforços neste enfrentamento, os chefes dos Executivos estaduais têm assumido em parte essas responsabilidades, muitas vezes necessitando travar um embate federativo com a União. Este contexto abriu caminho para algum entendimento entre forças políticas de centro e de esquerda, garantindo espaço para um diálogo antes interrompido.

Apesar dos protestos de diversos governadores e entidades como a Confederação Nacional dos Municípios e a Frente Nacional de Prefeitos, o comitê de crise criado pelo governo em parceria com os demais Poderes não inclui formalmente nenhum representante de Estados ou municípios, o que deve manter a tensão entre os entes federativos no combate à pandemia.

O chamado Comitê de Coordenação Nacional para o Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 no País teria sua primeira reunião nesta segunda, mas o encontro não foi confirmado. O grupo será coordenado pelo próprio presidente Jair Bolsonaro e tem como integrantes os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), além de um membro observante indicado pelo Conselho Nacional de Justiça. O Ministério da Saúde exercerá a Secretaria Executiva do grupo. 

As ações do comitê estarão na pauta do debate desta tarde, que será mediado pelo sociólogo e cientista político Luiz Felipe dÁvila. Acompanhe ao vivo pela TV Estadão

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.