BECKER/FUTURA PRESS
BECKER/FUTURA PRESS

Governadores de 26 Estados e do DF tomam posse

Para dar tempo de seguir para Brasília acompanhar a posse de Jair Bolsonaro, parte dos eleitos preferiu cerimônia nas primeiras horas da manhã

O Estado de S. Paulo, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2019 | 14h35

SÃO PAULO - Governadores de 26 Estados e do Distrito Federal tomam posse nesta terça-feira, 1º. Muitos dos eleitos preferiram cerimônias realizadas na parte da manhã para conseguirem organizar a agenda e participar da posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, que ocorre em Brasília. Nos discursos, os novos chefes dos Executivos estaduais reafirmaram promessas de controle dos gastos públicos e de investimentos nas áreas sociais.  

O ex-senador Ronaldo Caiado (DEM), eleito governador de Goiás, tomou posse Assembleia Legislativa do Estado. O companheiro de chapa, eleito vice-governador, Lincoln Tejota (Pros), também foi diplomado na solenidade. Após discurso, Caiado foi à sede administrativa do governo do Estado, o Palácio das Esmeraldas, receber a faixa de governador de seu antecessor, José Eliton (PSDB), antes de seguir para Brasília. O mesmo fez Ratinho Junior (PSD), eleito no Paraná: ele seguiu para Brasília após tomar posse e visitar o Palácio do Iguaçú, sede do governo estadual.

Em Rondônia, o coronel Marcos Rocha (PSL) tomou posse com seu vice, José Jodan (PSL), no teatro Palácio das Artes, sede da Assembleia Legislativa do Estado. Ele destacou o foco da gestão na geração de emprego e renda e atendimento da população carente. "Buscamos todas as autoridades engrenadas nessa grande máquina para atender o povo, para fazer chegar a todas as pessoas os serviços básicos do Estado", disse.

Rocha disse ainda que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) foi um dos maiores responsáveis pela sua candidatura ao governo de Rondônia e reafirmou a parceria com o novo presidente. "Bolsonaro me disse que estaremos juntos nesse processo. Eu acredito nisso. 'Muitas coisas temos que fazer, mas vamos conseguir', me disse ele", afirmou o novo governador de Rondônia. A cerimônia de transmissão de cargo aconteceu no teatro Palácio das Artes, sede da Assembleia Legislativa do Estado.

Já no Distrito Federal, o governador Ibaneis Rocha (MDB), disse que uma das primeiras medidas de sua gestão será cuidar “de forma imediata” da saúde pública. O emedebista falou com jornalistas antes de participar de missa de ação de graças no Santuário Dom Bosco, no centro de Brasília. Às 10h30, Ibaneis tomará posse na Câmara Legislativa do DF. “Vamos cuidar da saúde de forma imediata. É uma determinação para o secretário de Saúde e toda a sua equipe tentar melhorar a saúde da população do Distrito Federal”, disse.

O governador eleito também afirmou que, neste primeiro momento, haverá foco em medidas voltadas à segurança pública. “(Vamos) Tentar trazer mais policiais, principalmente aqueles já que estão na reserva e aposentados para que a gente possa reabrir as delegacias do Distrito Federal.” Ibaneis disse ainda que pretende dar credibilidade ao empresariado na área privada e que deve lançar todos os editais das obras públicas que estão previstas para 2019 como forma de criar empregos e aumentar a geração de renda.

“Vou fazer um choque na economia do Distrito Federal, trazendo novas empresas. Já temos notícias de várias empresas que têm interesse em se instalar aqui e vamos dar condição para o empresariado trabalhar aqui em 2019.” 

No Tocantins, o governador reeleito Mauro Carlesse (PHS) tomou posse também na Assembleia Legislativa estadual, mas a expectativa era que ele faria um discurso ainda na parte da manhã no Palácio Araguaia, sede do governo. De lá, também embarcaria para Brasília. Já no Pará, Helder Barbalho (MDB) assumiu em um ato conduzido pela deputada estadual Cilene Couto, uma vez que o presidente da Assembleia, Márcio Miranda, que foi derrotado por Barbalho nas eleições, não compareceu à cerimônia.

No Amapá, Waldez Góes (PDT) , fez a cerimônia para tomar posse, pela quarta vez, no prédio que abriga a sede do Sebrae, no centro de Macapá, em vez de realizar o evento na Assembleia Legislativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.