Governadores cobram crescimento da economia

Os governadores que se reunirão hoje à tarde num hotel de Brasília afirmam que a principal pauta a ser discutida é a retomada do crescimento econômico. Os governadores da Bahia, Paulo Souto (PFL); do Espírito Santo, Paulo Hartung (PSB); do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto (PMDB); e do Paraná, Roberto Requião (PDMB), descartaram a iniciativa de desestabilizar a equipe econômica ou de discutir o refinanciamento da dívida dos Estados.Os governadores vão exigir o cumprimento do acordo sobre o Fundo Nacional do Desenvolvimento Regional, previsto na segunda etapa da proposta de emenda constitucional que trata da reforma tributária. Outro tema definido é a discussão sobre o valor do Fundo de Compensação com a Desoneração das Exportações.Apesar de não defenderem alterações na política econômica, Requião e Rigotto condenaram o superávit primário de 4,25% do PIB. "Quando um país quer crescer, um superávit de R$ 20 bilhões é simplesmente pornográfico", disse. Para Rigotto, "há espaço (nesse superávit) para que a economia possa acelerar". O governador gaúcho nega que esteja em discussão a mudança na política econômica. "O ministro (da Fazenda, Antonio) Palocci é competente e vai fazer com que tenhamos um crescimento mais rápido", disse. "(A proposta) não é desestabilizar a equipe econômica, mas mostrar que é possível acelerar o processo da retomada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.