Governadores acreditam que PSDB terá que ampliar consulta

O PSDB terá que ampliar a consulta sobre qual será o nome que irá representar a legenda na corrida presidencial deste ano, caso as conversas de hoje entre o presidente do partido, Tasso Jereissati, e governadores sejam incapazes de resultar um entendimento. A avaliação é dos governadores Cássio Cunha Lima, da Paraíba, e Lúcio Alcântara, do Ceará, que irão participar da reunião marcada para às 15h pela cúpula tucana. Os dois já manifestaram preferência pelo nome do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin."Se não houver entendimento entre o prefeito Serra e o governador Alckmin, não há outro caminho senão o partido definir um critério de escolha", disse Cunha Lima, ao chegar a um hotel na zona sul da capital paulista. "Na política, quando não há consenso, há de se estabelecer critérios de escolha".O governador paraibano, que se mostrou favorável à escolha do nome de Alckmin, disse que Serra iniciou a administração na prefeitura de São Paulo há apenas pouco mais de um ano, mas que não há veto a uma ou outra candidatura.Seguindo a mesma linha, Alcântara destacou que o ideal seria que a direção partidária chegasse a um entendimento ainda hoje, mas defendeu a ampliação da consulta, caso o consenso não seja possível. "Eu acho que o ideal era que houvesse um entendimento entre os dois candidatos com a assistência dessas lideranças que já vem participando do processo. Isso não sendo possível, vamos ter que escolher um fórum para tomar esta decisão", disse Alcântara.O governador do Ceará criticou Serra por ter condicionado sua pré-candidatura à presidência a não realização de prévias. Para ele, Alckmin tem conduzido sua pré-candidatura de forma mais tolerante. "Eu acho legitimo que o prefeito reivindique ser candidato, agora impor critério de escolha já é uma coisa mais complicada" disse.Já o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, disse acreditar que o PSDB será capaz de anunciar ainda hoje o nome do canditado que disputará a presidência. " Acho que hoje teremos a possibilidade de através da voz do presidente do partido, anunciar uma decisão", disse. Apesar do otimismo, Aécio não descartou a possibilidade de ser realizada uma prévia ou uma consulta mais ampla dentro do partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.