Governador Sérgio Cabral dobra gastos com uso de helicópteros

Valor empenhado passa de R$ 5 milhões em 2007 para quase R$ 10 milhões no ano passado

Clarissa Thomé e Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

09 de julho de 2013 | 20h01

RIO - Desde que o governador Sérgio Cabral (PMDB) tomou posse, os gastos nominais do Estado do Rio com o uso de helicópteros pela cúpula do governo quase dobrou. Em 2007, as despesas empenhadas pelos cofres estaduais com as viagens ficaram próximas de R$ 5 milhões. Agora, os valores beiram os R$ 10 milhões.

O governador, seu vice, seus secretários e chefes de departamentos de destaque da gestão têm hoje à disposição sete helicópteros para deslocamento.

Levantamento do deputado Luiz Paulo (PSDB) no Sistema Integrado de Administração Financeira do Estado mostra que, na gestão Cabral, a Subsecretaria Militar da Casa Civil adquiriu três helicópteros, ao custo de R$ 31,4 milhões, da Helicópteros do Brasil S/A (Helibras).

O órgão também firmou cinco contratos para manutenção, fornecimento de peças, locação de componentes, inspeções periódicas e curso de atualização mecânica, no valor total de R$ 22,5 milhões, de 2007 a 2012.

“Há um evidente acúmulo de helicópteros pelo Executivo. São sete servindo aos gabinetes do governador e seus secretários e oito à disposição dos órgãos operacionais, como Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros”, diz o deputado de oposição. “Em 2011, quando se discutia o contingenciamento do orçamento do Estado, eu já propunha que se contingenciassem as compras de passagens aéreas, helicópteros. É um governo que vive no ar”, afirma.

Utilização. Reportagem da revista Veja publicada nesta semana mostrou que uma das aeronaves adquiridas no atual governo, o luxuoso Agusta AW 109 Grand New, é utilizada nos fins de semana para levar o governador, sua mulher, seus filhos, babás e até o cachorro da família para a mansão de Cabral em Mangaratiba, praia do litoral sul do Estado.

A reportagem diz ainda que o governador usa diariamente a aeronave para ir trabalhar, apesar de a distância entre o heliponto oficial, na Lagoa, e o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, ser de apenas sete quilômetros.

A Procuradoria-Geral da República decidirá sobre a investigação do governador Sérgio Cabral por crime de peculato (uso de recurso ou bem público em proveito próprio). O caso foi encaminhado a Brasília, pelo fato de o governador ter foro privilegiado.

‘Regular’. Em entrevistas recentes, Cabral afirmou não ver irregularidades na utilização do helicóptero. Procurada ontem pelo Estado, a assessoria de imprensa do governador não respondeu às questões sobre a causa do aumento dos gastos com operações aéreas, bem como sobre os voos realizados pelo governador em helicópteros oficiais.

Tudo o que sabemos sobre:
HELICÓPTEROCABRAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.