Fernando Gomes/Agência RBS
Fernando Gomes/Agência RBS

Governador do RS e vice voltam atrás e abrem mão de aumento

Reajuste da remuneração de José Ivo Sartori, do Rio Grande do Sul, e de seu vice, provocou manifestações negativas

GABRIELA LARA, CORRESPONDENTE, E ELDER OGLIARI, Estadão Conteúdo

19 de janeiro de 2015 | 13h21

Porto Alegre - O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), anunciou nesta segunda-feira, 19, que ele e seu vice, José Paulo Cairoli (PSD), voltaram atrás e decidiram abrir mão do aumento de seus salários, que havia sido sancionado por Sartori na sexta-feira. 

O anúncio do reajuste gerou forte reação entre a oposição, entidades e sindicatos, que apontaram uma incoerência no discurso do governador. Sartori vem pregando a necessidade de cortar gastos desde a campanha eleitoral e nos primeiros dias de mandato assinou um decreto que prevê a suspensão de concursos públicos, a limitação de despesas com diárias e viagens e a possibilidade de atrasar o pagamento de fornecedores e prestadores de serviços.

“Quero deixar bem claro que não tenho nunca receio de rever posições. Sou uma pessoa como qualquer outra e acho que quem mais erra é quem às vezes não tem humildade de eventualmente voltar atrás”, disse Sartori. 

Os aumentos que haviam sido sancionados, que abarcam também os salários de secretários e deputados estaduais, variam de 26,34% a 64,22% e são próximos à inflação correspondente ao período em que os valores não foram corrigidos.

O governador afirmou que o recuo é uma opção de caráter pessoal dele e do vice, e que os aumentos salariais de secretários de Estado, deputados e membros do Judiciário estão mantidos. Ele disse que decidiu sancionar os reajustes que haviam sido aprovados pela Assembleia Legislativa em dezembro, antes de ele assumir o governo, porque entendeu que era necessário preservar a autonomia dos outros Poderes. “Mas fiquei na dúvida”, justificou.

Sartori reconheceu que houve reação negativa por parte da opinião pública, principalmente nas redes sociais. “Ouvi a voz dos gaúchos, que é a mais importante.”

Segundo o governador, ele e Cairoli assinaram um documento abrindo mão do reajuste por tempo indeterminado, que será oficialmente publicado no Diário Oficial. O salário do governador , que passaria a R$ 25.322,25, continua sendo de R$ 17.347,14. 

Já o salário do vice foi mantido em R$ 11.564,76. A remuneração dos secretários, que era desse mesmo valor, teve reajuste de 64,22% e passou para R$ 18.991,69. Os deputados estaduais, que tiveram reajuste no início da legislatura anterior, em 2011, ganhavam R$ 20.042,34 e passam a receber R$ 25.322,25, variação de 26,34%.

Paraíba. O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), também suspendeu nesta segunda o reajuste dos salários dos integrantes de seu governo, inclusive o seu próprio vencimento. O aumento, de 26,33%, foi aprovado pela Assembleia Legislativa da Paraíba em dezembro. / COLABOROU ELIZABETH LOPES

***

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.