Divulgação - 19/12/2011
Divulgação - 19/12/2011

Governador do PR diz que 'não tem o que reclamar' do ministro da Integração

O tucano Beto Richa disse que Fernando Bezerra 'tem sido muito atencioso' com o Estado

Evandro Fadel, correspondente de O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2012 | 15h31

CURITIBA - Apesar de o Paraná ter recebido do Ministério da Integração Nacional R$ 1,8 milhão para obras antienchentes, volume 14 vezes inferior ao destinado a Pernambuco, que recebeu R$ 25,5 milhões, o governador Beto Richa (PSDB) elogiou o trabalho do ministro pernambucano Fernando Bezerra. "Não tenho o que reclamar do ministro", disse mais de uma vez em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, 4. "Com o Estado, o ministro tem sido muito atencioso e solícito, até por conta de uma relação de trabalho, de respeito."

Questionado sobre a discrepância entre os valores e o fato de Pernambuco ficar com 90% do volume destinado ao País, conforme dados da organização não governamental (ONG) Contas Abertas, a partir de registros do Tesouro Nacional, Richa desconversou: "Eu desconheço". No entanto, fez questão de dizer que recursos serão sempre bem aceitos. "Hoje, na administração pública, não temos limite máximo de investimentos", afirmou. "Quanto mais recursos tivermos maior será a eficiência do governo." Os elogios de Richa repetem os que foram feitos no dia anterior pelos governadores de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB).

Durante discurso em solenidade para assinatura de contrato com alguns municípios para prestação de serviço de abastecimento de água e coleta de esgoto sanitário, Richa já havia citado uma visita que Coelho fez, no início do ano passado, ao litoral paranaense, após chuvas que provocaram deslizamento e deixaram quatro mortos. Na entrevista, ele repetiu. "Tivemos o apoio do ministro, que pessoalmente esteve conosco no litoral garantindo apoio e repasse dos recursos que foram solicitados pelo nosso governo", acentuou. Há cerca de dois meses, ele teve novo contato com o ministro em Foz do Iguaçu.

Richa destacou que os fenômenos climáticos têm sido cada vez mais frequentes no mundo, prejudicando inclusive países ricos e desenvolvidos, "que não conseguem, dependendo da intensidade desses fenômenos, proteger a totalidade da população". "Temos um plano de prevenção aqui que vai, no mínimo, atenuar a consequência das fortes chuvas que são inevitáveis", afirmou. "A Defesa Civil do Estado com os órgãos envolvidos já fizeram cursos de prevenção e convênios com os prefeitos, principalmente do litoral, para que possam estar preparados para atuar de forma imediata na ocorrência de uma catástrofe."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.