Governador do Pará corre o risco de perder mandato

Acusado pelo Ministério Público Eleitoral de ter se beneficiado de propaganda eleitoral irregular, o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), teve hoje o diploma do cargo cassado por decisão do juiz federal Gláucio Maciel. A vice, Valéria Pires Franco (PFL) também foi atingida pela decisão. Maciel acatou representação contra os dois formulada pelo procurador da República, André Menezes. O ex-governador Almir Gabriel, padrinho político dos dois candidatos, foi condenado a pagar multa de R$ 5.320. Jatene e Valéria continuam no cargo porque a sentença é em primeira instância e ainda cabe recurso. "A decisão de cassar os diplomas foi tomada por Maciel durante sessão do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e será submetida ao plenário da casa na próxima terça-feira. A presidente do TRE, desembargadora Albanira Bemerguy, após a sentença do juiz, pediu vista do processo. Oito juízes vão decidir no voto a sorte de Jatene e Valéria. Se houver empate, o voto decisivo será o de Albanira."Nós estamos tranquilos e vamos vencer mais uma vez", afirmou o advogado Jorge Borba, defensor do governador e da vice. Ele informou que no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já existem dois agravos de instrumento e um recurso especial extraordinário em favor de Jatene. Nesses outros processos, a Procuradoria Eleitoral do Pará acusa Almir Gabriel de utilizar aviões do Estado na campanha de seus candidatos. "Segundo a denúncia do MPE, o governo do Estado praticou "abuso do poder de autoridade" por realizar em julho e agosto do ano passado propaganda do Executivo por intermédio de placas colocadas em locais estratégicos do estádio Mangueirão, durante a Copa dos Campeões. Fitas de vídeo com os jogos da competição foram exibidas ao juiz Gláucio Maciel para mostrar a suposta propaganda irregular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.