Governador do Mato Grosso do Sul dá ultimato ao BB

O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), condicionou a validade do contrato - carteira de pagamentos de salários do funcionalismo público estadual - firmado com o Banco do Brasil, com vencimento em 2010, a um empréstimo sem juros para pagar a folha de dezembro dos funcionários estaduais. "Até 12 horas da próxima terça-feira, 23, aguardaremos uma resposta positiva, caso contrário passaremos a conta corrente do Estado para outro banco", afirmou Puccinelli.São R$ 189 milhões, incluindo os encargos sociais e imposto de renda, a serem liberados através de um CDC (Crédito Direto Ao Consumidor), sem qualquer custo. O governador, conforme informou, já manteve contatos com outros três bancos, que estão interessados na proposta, que é o pagamento da multa contratual com o BB, de R$ 90 milhões.Em 2005, o BB conseguiu a carteira de pagamentos de salários do funcionalismo público estadual por R$ 98 milhões em um leilão público. Bradesco, Sudameris e Itaú, acenaram com a possibilidade de assumir os gastos com a rescisão do contrato. O prazo dado por Puccinelli, é devido à justificativa do superintendente em exercício do banco, Luís Caron, de que a Superintendência Regional não tem autonomia para autorizar o empréstimo, e que pediria autorização para a presidência da instituição. Está marcada para 13 horas da próxima terça-feira, a reunião com os líderes do funcionalismo para comunicação da decisão final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.