Governador do DF vai à missa pedir estabilidade

Sentado na cadeira mais instável da política brasileira - o governo do Distrito Federal, que teve três governadores em menos de um mês -, o deputado distrital Wilson Lima (PR) apela para a fé para espantar o fantasma da intervenção federal na capital da República. Ex-seminarista, em seu primeiro fim de semana como chefe do Executivo, Lima amanheceu ontem em uma igreja no Gama, a 35 quilômetros de Brasília. Às 8 horas, já rezava, cantava e dedilhava um violão.

AE, Agencia Estado

01 de março de 2010 | 10h33

"Rezemos pelo governo do Distrito Federal e pelo nosso irmão que está no governo", pediu o diácono José Ribamar Silva. Ao término da missa, abraçou conhecidos, beijou uma criança e posou para fotos. "Que Deus te abençoe e te ilumine", disse uma senhora. Ao chegar à Paróquia São Sebastião, foi saudado por fiéis. Sentou-se perto do altar, acompanhado da mulher, Márcia.

Na próxima quinta, Wilson Lima deve se reunir com o secretário de Cultura, Silvestre Gorgulho, e com o presidente da Brasiliatur, João Oliveira, para acertar detalhes das comemorações dos 50 anos de Brasília. Com o governador eleito, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) na cadeia e com o vice Paulo Octávio em casa, depois de renunciar, Lima não mudou sua rotina.

Com isso espera mandar um recado de que Brasília vive dias normais. Resta saber se a oração da estabilidade apregoada pelo governador Lima é compartilhada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.