Dida Sampaio/Estadão - 05.01.2015
Dida Sampaio/Estadão - 05.01.2015

Governador do DF pede que acampamentos de manifestantes sejam retirados do gramado do Congresso

Após reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros, sobre o assunto Rodrigo Rollemberg disse temer confronto grave entre grupos que pedem o impeachment de Dilma Rousseff e aqueles que defendem a presidente

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2015 | 15h35

BRASÍLIA - Em breve reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), nesta quinta-feira, 19, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), pediu que os manifestantes que estão acampados em frente ao Congresso Nacional sejam retirados. O governador teme confronto grave entre os grupos que pedem o impeachment de Dilma Rousseff e aqueles que defendem a presidente.

Até aqui, nós deixávamos os manifestantes acampados na área em respeito à liberdade de expressão e manifestação. Com os incidentes ocorridos, entendemos que há um risco iminente de um confronto com consequências mais graves", afirmou Rollemberg.

Nesta quarta-feira, 18, uma briga entre os acampados e os manifestantes da Marcha Nacional das Mulheres Negras terminou em disparos de arma de fogo e duas pessoas detidas. Parlamentares também foram atingidos por gás de pimenta usado para conter os manifestantes. Na semana anterior, um policial militar reformado, que integra o grupo que pede uma intervenção militar, foi preso com uma arma. 

Para se chegar a uma decisão definitiva sobre a retirada dos acampamentos, entretanto, é necessário um acordo conjunto entre o governo de Brasília e o Congresso Nacional. O gramado da Esplanada dos ministérios é cortado por uma alameda de bandeiras estaduais. De acordo com o governador Rollemberg, a área da alameda até o palácio do Congresso Nacional é de responsabilidade do legislativo federal, enquanto o governo de Brasília responde pelo restante do gramado. No momento, existem acampamentos em ambas as áreas.

"O entendimento do setor de segurança do governo é que a retirada deve ser feita conjuntamente. Não adianta o governo de Brasília retirar uma parte dos manifestantes se os demais acampamentos não forem retirados", justificou o governador. 

Renan já afirmou que é contrário aos acampamentos montados em frente ao Congresso. Mas a ação foi autorizada há mais de um mês pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sem diálogo com o presidente do Senado. 

Renan Calheiros e o governador Rollemberg voltam a se reunir nesta tarde, desta vez em companhia de Eduardo Cunha, para tentar um acordo comum. Agora há pouco, Eduardo Cunha confirmou a reunião, mas não afirmou se será favorável à retirada dos acampamentos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.