Governador do DF decreta 'demissão do gerúndio'

José Roberto Arruda proíbe o tempo verbal em todos os órgãos da administração pública da capital

João Domingos, do Estadão

01 de outubro de 2007 | 20h27

Demissão como essa é raríssima, se não inédita. Mas o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), encheu-se de coragem e demitiu o gerúndio - isso mesmo, o tempo do verbo que se tornou uma praga principalmente no serviço público e nos serviços de call center - de todos os órgãos da administração pública da capital.   O inusitado decreto, que tem quatro linhas em quatro artigos, foi assinado pelo governador Arruda no dia 28, a última sexta-feira. Foi publicado nesta segunda na página 19 do Diário Oficial do Governo do Distrito Federal.   O decreto é claro logo em seu artigo primeiro: "Fica demitido o gerúndio de todos os órgãos do Governo do Distrito Federal". E o artigo segundo do decreto continua firme no ataque ao tempo do verbo, ligando-a à deficiência verificada no serviço público: "Fica proibido a partir desta data o uso do gerúndio para desculpa de ineficiência".   Curioso, é que o texto seguiu o padrão de todos os decretos e estabeleceu, em seu artigo quarto, o lugar comum "Revogam-se as disposições em contrário". Não se tem notícia de que algum decreto anterior tenha obrigado o uso do gerúndio nas repartições do Distrito Federal.   O governador está em Nova York, atrás de verbas do Banco Mundial. Informou, por intermédio de sua assessoria, que buscou fazer uma provocação e que a idéia é atacar a burocracia dos governos.   De uns tempos para cá - principalmente pela influência da língua inglesa, que o utiliza muito - a burocracia das repartições públicas e os funcionários de call center passaram a usar e a abusar do gerúndio, desgastando-o sobremaneira.   Não há quem não tenha ouvido nestes locais locuções como "eu vou estar transferindo o senhor", "nós vamos estar providenciando", e assim por diante, sempre com muito exagero do uso do gerúndio.   O decreto de Arruda foi publicado numa página do Diário Oficial dedicada aos atos administrativos. Veio logo depois de um que altera outro decreto, de abril deste ano, que trata da limitação de empenho e de movimentação financeira, e estabelece a programação orçamentária e financeira e o cronograma mensal de desembolso, do Poder Executivo em 2007.

Tudo o que sabemos sobre:
GerúndioJosé Roberto Arruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.