Governador do AM evita comentar decisão do PPS

Para o governador do Amazonas, Eduardo Braga (PPS), a decisão de abandonar o governo federal, tomada pela executiva do seu partido, "deve ser analisada com muita calma". Segundo ele, não é o melhor momento para se falar nisso, mas o assunto realmente merece ser estudado com atenção.A postura do governador amazonense nada mais é que o reflexo cauteloso de quem está ensaiando mudar de partido há algum tempo. Semana passada, por exemplo, chegou a ser anunciada sua filiação ao PMDB, fato desmentido pelo próprio governador em seguida.Mas até para desmentir ele foi cauteloso. Tecendo elogios ao PMDB e demonstrando claramente certa insatisfação com o PPS, mais uma vez mostrou-se indeciso. Não disse que iria sair, mas também não garantiu que iria ficar. Devido ao estreito relacionamento com o presidente Lula, Eduardo Braga não tem motivos para acompanhar a decisão da executiva nacional do seu partido. Desde que assumiu a presidência, Lula tem prestigiado o Amazonas em todos os setores. Participou do Festival de Parintins, da Feira Internacional e tem visitado o Estado com freqüência. Além disso, Eduardo Braga teme, com razão, pelo futuro da Zona Franca de Manaus, a todo momento ameaçada por vários setores do governo federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.