Marcos Negrini/SECOM-MT - 18/3/2011
Marcos Negrini/SECOM-MT - 18/3/2011

Governador de MT: ‘Pedi apoio a todo mundo para o projeto’

Silval Barbosa defende VLT e diz que pediu ajuda para todo mundo, da presidente Dilma Rousseff ao terceiro escalão do governo federal

Leandro Colon, de O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2011 | 23h59

BRASÍLIA - O governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), defende o VLT e diz que contou com a ajuda do primeiro escalão do governo federal.

 

Por que o sr. decidiu trocar o projeto do BRT pelo VLT?

 

A realidade de Cuiabá é diferente da de Brasília, ou de qualquer outra cidade que nasceu planejada. Temos que usar canteiros, aproveitar o espaço. Temos que tentar implantar um transporte de massa que seja moderno e atenda ao futuro. O do BRT já nasce saturado. O VLT é um dos mais modernos do mundo.

 

Mas está na Matriz da Copa. Ficará pronto até a Copa?

 

Está na Matriz da Copa porque nós insistimos para alterar. O projeto é de 24 meses. Eu tenho 100% de certeza de que ficará pronto.

 

O que o sr. fez para convencer o Ministério das Cidades?

 

Não fiz nada. Quem define o planejamento das cidades ou do Estado é o prefeito ou o governo.

 

Um parecer do ministério diz que não havia estudo do governo...

 

Teve estudo, eu mandei contratar estudo.

 

Em agosto, o sr. reuniu-se com a ministra Miriam Belchior, o ministro Negromonte. Logo depois, o sr. anunciou que conseguiu o projeto.

 

E conseguimos. Eu venho trabalhando o projeto do VLT há mais de seis meses. Eu fiz um trabalho na Miriam Belchior e no Ministério das Cidades. Eu fiz esse trabalho para alterar a Matriz de Responsabilidade da Copa, porque a decisão de fazer outro sistema de transporte eu já havia tomado.

 

O vice-presidente Michel Temer também ajudou?

 

Eu pedi para todo mundo. Quando você quer viabilizar um projeto para a cidade, precisa de apoio político. A presidente Dilma Rousseff foi a primeira a quem pedi. Trabalhei com todos, com meu partido. Sentei com Dilma, com a Caixa Econômica Federal, com o Ministério das Cidades. De ministro ao terceiro escalão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.