Governador de MS pede desculpas por declarações sobre Minc

André Puccinelli lamentou a 'conotação de ofensa' atribuídas a suas declarações

Gustavo Porto, da Agência Estado,

22 de setembro de 2009 | 19h43

O governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), pediu desculpas pelas declarações feitas nesta terça-feira, 22, em relação ao ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Em um evento com empresários pela manhã, em seu gabinete, Puccinelli teria xingado Minc com palavras de baixo calão e desafiado o ministro a não aparecer no Estado.    

 

Veja Também

linkGovernador de MS chama Carlos Minc de 'viado e maconheiro'

 

As declarações foram dadas quando o governador foi questionado sobre a posição contrária de ambos em relação à proibição, pelo governo federal, do plantio de cana-de-açúcar na bacia hidrográfica do Alto Paraguai. Minc conseguiu impor a proibição no Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar divulgado semana passada pelo governo, enquanto Puccinelli defendia a liberação.    

 

Ao saber da repercussão negativa das declarações, Puccinelli reuniu a imprensa local em seu gabinete e "apresentou pedido pessoal de desculpas ao ministro", de acordo com a agência de notícias estadual. O governador teria chamado o ministro de "viado" e "maconheiro".    

 

O governador sul-mato-grossense divulgou ainda nota oficial na qual "lamenta a conotação de ofensa a elas (declarações) atribuídas, pois foram feitas em ambiente diverso, e, antecipando-se a qualquer outra conotação, esclarece que as críticas restringem-se ao ambiente do debate técnico e político dos assuntos que dizem respeito aos interesses de Mato Grosso do Sul e ao Ministério do Meio Ambiente".  

 

Ainda segundo o documento, "quaisquer outros desdobramentos devem ser entendidos como inapropriados e, na hipótese de terem gerado ofensa ao ministro, o governador do Estado de Mato Grosso do Sul apresenta seu pedido de desculpas", conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.