Governador de MS agride eleitor durante passeata

O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), foi chamado de ladrão por um eleitor ontem e respondeu ao xingamento com um tapa no rosto do autor da agressão verbal. O episódio foi visto por dezenas de pessoas, e aconteceu no populoso bairro Aerorancho II, na periferia de Campo Grande.

JOÃO NAVES DE OLIVEIRA, Agência Estado

22 Julho 2010 | 17h02

A assessoria de Puccineli afirmou que "quem acabou sendo agredido foi o governador". A agressão foi feita contra o montador de acessórios para automóveis, Rodrigo de Campo Roque, de 23 anos, morador do bairro, que foi dominado por policiais militares e levado para a delegacia local. Ele foi liberado na madrugada de hoje.

O delegado de plantão, Paulo Henrique Sá, registrou o boletim de ocorrência como sendo "injuria real contra o governador". Segundo Roque, ele teve que fazer um acordo com os policiais. "O delegado me disse que para eu registrar a ocorrência como vítima, teria que prestar queixa em Goiás", disse.

O caso aconteceu por volta de 18h30 de ontem. Puccinelli e sua comitiva realizavam uma passeata, com pequenas paradas para conversar com os moradores do bairro. Em uma dessas pausas, ele perguntou para Roque: "Você lê jornais, viu quanto eu fiz por Campo Grande?". A vítima teria respondido: "Vi também que o senhor é ladrão". "O governador me deu um tapa de mão aberta no rosto e eu o empurrei, para não levar outro tapa", segundo Roque.

Guilherme Filho, um dos assessores do governador, que também trabalha na campanha para a reeleição de Puccinelli, informou que "não foi nada disso" que aconteceu, mas disse que não estava ao local. "O que houve foi uma agressão por parte de um dos moradores", defendeu. "O agressor vai responder pelo o que fez", acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
tapa rosto eleitor André Puccinelli MS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.