Governador de Goiás reafirma investimentos na nova estatal elétrica

Ministro Edison Lobão também confirmou compromisso de investir R$ 1,2 bilhão até 2015 na Celg

Eduardo Rodrigues, de Agência Estado

11 de janeiro de 2012 | 11h41

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), disse nesta quarta-feira, 10, após encontro com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que a Eletrobrás reafirmou o compromisso de investimentos conjuntos na "nova Celg" de R$ 1,2 bilhão até 2015.  

 

A Eletrobrás adquiriu recentemente 51% da estatal de distribuição de energia goiana. Segundo Perillo, uma diretoria provisória deve assumir o comando da companhia nos próximos dois meses, até a contratação de um "headhunter" para a escolha dos profissionais que formarão a nova diretoria da empresa.

"Outros acordos a serem realizadas pela Eletrobrás com outros Estados devem seguir o mesmo modelo. O próximo deve ser o Amapá", afirmou Perillo. Diretores da Eletrobrás ainda estão reunidos com Lobão.

Acordo. Por meio de comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Eletrobrás informou ter assinado protocolo de intenções com a Celg Distribuidora, para assumir o controle acionário da maior empresa estatal de Goiás. Pelo acordo, firmado no início de dezembro, a Eletrobrás assume o controle acionário, ou 51% das ações da Celg, como garantia de um empréstimo do Estado de Goiás com a Caixa Econômica Federal no valor de R$ 3,527 bilhões.

 

Segundo o ex-presidente da Celg José Eliton, que deixou o comando da estatal depois do acordo, com o dinheiro do empréstimo, Goiás pagará dívidas de ICMS da Celg com o governo estadual e dívidas com as prefeituras municipais. Entre o dinheiro que sai e o que entra, a Celg ainda fica devendo cerca de R$ 470,1 milhões, em contas diversas, e mais R$ 1,799 bilhão para o setor elétrico. Porém, com as contas com a Eletrobrás em dia, a estatal poderá reajustar as tarifas em cerca de 30%. Nos cálculos da estatal, a Celg deve voltar ao azul em dezembro de 2014.

Mais conteúdo sobre:
CelginvestimentosGoiás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.