Governador de Goiás quer discussão ampla para candidato tucano

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), criticou nesta segunda a hipótese de o candidato tucano à presidência ser escolhido por um número reduzido de caciques políticos. O processo de escolha vem sendo conduzido por três nomes: o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati, e o governador de Minas, Aécio Neves. Para Perillo, que negou estar fazendo campanha em favor do governador Geraldo Alckmin, esta seria a candidatura mais "conveniente". "Disse apenas que a candidatura do Geraldo seria mais conveniente, pois ele está em fim de mandato", declarou."Queremos uma discussão ampla. Se as decisões se fecharem, é natural que haja reclamações em relação ao formato, à condução", disse Perillo. "O que não podemos aceitar é que alguns conversem em nome dos outros", acrescentou o governador, que ontem esteve na Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) para para receber a Medalha Tiradentes, a mais importante comenda do Estado. A iniciativa de condecorá-lo partiu do presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB).O prefeito José Serra, que disputa com o governador Geraldo Alckmin a indicação para disputar a presidência da República, chegou de surpresa ao Rio para participar da solenidade. Ele se recusou a comentar a divisão no PSDB e negou ter vindo ao Rio para pedir o apoio de Perillo. Ao discursar, Serra voltou a criticar o governo Lula. "Quando o tema é boas notícias, o Brasil está para trás no cenário mundial. A economia internacional está como um céu de brigadeiro e não estamos aproveitando" disse.O líder dos tucanos no senado, Arthur Virgílio, disse que a disputa é normal. "A decisão será de consenso. Não entendo como rebeldia querer disputar uma vaga para ser candidato", afirmou. "O importante é que, após a decisão, o partido caminhará junto. Dois ou três não decidirão sozinhos o futuro do partido. As lideranças serão ouvidas", completou.Convidado, Alckmin não foi ao evento, mas enviou um fax ao governador de Goiás parabenizando-o pela homenagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.