Governador da PB recorre novamente ao TSE contra cassação

Cássio Cunha Lima é acusado de fazer uso eleitoral de um programa assistencial do governo no pleito de 2006

Agência Brasil,

27 de novembro de 2008 | 11h41

O governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), e seu vice, José Lacerda Neto, entraram na noite da última quarta-feira, 26, com novo pedido de liminar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para suspender a cassação do mandato de ambos, decretada pela suposta prática de abuso do poder político e econômico nas eleições de 2006. O relator do pedido no TSE é o ministro Eros Grau.  Veja também: Entenda o caso de Cunha Lima e veja os governadores na mira   Governador da PB recorre novamente ao TSE contra cassação Eles querem se manter no cargo até que o caso tenha o mérito julgado no Supremo Tribunal Federal (STF). Há uma semana, o TSE decidiu, por sete votos a zero, confirmar decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) que cassou os mandatos. O governador é acusado de ter se valido, durante o período eleitoral de 2006, da distribuição de cheques para cidadãos do estado, por meio de um programa assistencial mantido pela Fundação Ação Comunitária (FAC), vinculada ao governo.  O TSE determinou ainda que, após a publicação do acórdão, fosse empossado no cargo de governador o segundo colocado nas eleições de 2006, o senador José Maranhão (PMDB). Cunha Lima ainda se mantém no posto, uma vez que a publicação não foi concretizada, o que deve ocorrer na próxima semana.  O PSDB entrou com uma ação no Supremo contestando a decisão do TSE de dar posse ao senador José Maranhão. Os tucanos pedem que o STF determine a realização de nova eleição no Estado, sob o argumento de que os votos atribuídos ao governador cassado passariam a ser considerados nulos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.