Governador cassado de TO pretende ser candidato ao Senado

Marcelo Miranda: "Estou tranquilo para dizer que nosso trabalho foi cumprido"

Luciana Nunes Leal, de O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2009 | 16h41

O peemedebista Marcelo de Carvalho Miranda, de 47 anos, mostrava uma resignação surpreendente, na manhã desta quarta-feira, para um governador que perdeu o mandato. A tranquilidade de Miranda tem explicação. Com ampla maioria na Assembleia Legislativa, ele certamente verá um correligionário vitorioso na eleição indireta. Além disso, o governador interino, Carlos Henrique Gaguim, presidente da Assembleia Legislativa, é aliado de Miranda - assim como o novo comandante do Legislativo estadual, Júnior Coimbra, que conduzirá o processo eleitoral. São todos do PMDB.

 

Veja também:

link Governador cassado do TO diz que 'luta não acabou'

 

O filho do ex-governador de Tocantins José Wilson Siqueira Campos (PSDB), autor da ação contra o governador cassado Marcelo Miranda (PMDB), informou que seu pai vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de realizar eleições indiretas no Estado. Marcelo Miranda e seu vice, Paulo Sidnei (PPS), tiveram o mandato cassado na noite da última terça-feira.

 

O TSE argumentou que, como Miranda foi eleito com mais de 50% dos votos, no primeiro turno de 2006, e faltam menos de dois anos para o fim do mandato, a legislação determina eleição indireta para o substituto. O sucessor será eleito pelos 24 deputados estaduais. O ex-senador e ex-prefeito de Palmas Eduardo Siqueira Campos, filho do ex-governador, afirmou que a família ainda espera uma decisão do STF em favor da eleição direta.

 

"Caímos na eleição indireta porque uma série de manobras levou a decisão para o segundo biênio. Desde 2006 está caracterizada a fraude. A grande expectativa da população é participar de eleições diretas", disse Eduardo Siqueira Campos.

 

O governador cassado, em vez de lamentar a decisão judicial, já tem planos para o futuro: pretende ser candidato ao Senado em 2010. Por telefone, enquanto esperava a chegada de Gaguim, na porta do Palácio Araguaia, Miranda falou ao Estado.

 

Como o senhor reage à decisão do Tribunal Superior Eleitoral de cassar seu mandato?

Recebi a decisão com humildade e respeito à Justiça. Ontem (última terça-feira) foi um dia normal de trabalho, mas à noite veio este desfecho. Para mim, a luta não acabou, vamos dar continuidade ao governo. Desejo que o novo governador seja muito feliz.

 

O senhor não teme a interrupção de suas ações no governo?

O novo governador é do nosso partido. Estou tranquilo para dizer que fiz o que pude, que em grande parte nosso trabalho foi cumprido. Todos os secretários vão entregar o cargo, é uma equipe valorosa, cabe ao novo governador escolher sua equipe.

 

O senhor foi punido por abuso do poder político nas eleições de 2006. Como se defende das acusações?

Continuo dormindo em paz. Entrei pela porta da frente e sairei pela porta da frente.

 

Concorda com eleições indiretas para seu substituto?

Foi determinado pelo TSE que tem que ser eleição indireta. Respeito o eleitor indireto. O deputado estadual representa o eleitorado. Quem vai votar são os 24 deputados, mas a sociedade deve ser chamada a participar.

 

O senhor vai se engajar na campanha do governador interino, Carlos Gaguim, para o mandato-tampão?

Vou ser muito sincero: ainda não pensei nisso. Se eu for convocado pelo partido, estou pronto a contribuir.

Tudo o que sabemos sobre:
TocantinsentrevistaTSEcassação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.