Governador baiano é estrela em convenções de rivais PT e PSDB

O governador da Bahia, o petistaJaques Wagner, foi a grande estrela das convenções de PSDB ePT, partidos adversários na disputa pela prefeitura da capitalSalvador, mas que integram a base de apoio do governo doEstado. O clima de competição entre os partidos pela preferência eo apoio do governador, e os discursos de Wagner numa e noutrasolenidade marcaram as convenções que oficializaram hoje osnomes do ex-prefeito Antonio Imbassahy, pelo PSDB, e dodeputado Walter Pinheiro, pelo PT, como concorrentes àprefeitura da capital baiana. Até na decoração dos ambientes no Centro de Convenções,local da convenção petista, e no salão do Hotel Fiesta, sede doevento tucano, sentia-se a disputa em torno do governador. Asduas legendas, adversários no cenário nacional, escolheram ascores da bandeira do Estado: vermelho, azul e branco. Wagner compareceu primeiro ao Fiesta, onde foi recebido porcerca de 2 mil pessoas em clima de vitória e, ao lado deImbassahy e do presidente nacional do PSDB, senador SérgioGuerra (PE), disse que ali estava num gesto de reciprocidadepelo apoio recebido na sua eleição e também de honradez,"construindo o futuro". Os tucanos aplaudiram o governador petista com força quandoele disse: "A vitória de Imbassahy não nos constrange, vai nosdeixar alegres". Quase duas horas depois, já no Centro de Convenções, Wagnerfoi recebido por mais de 5 mil militantes petistas que cantavamo jingle do candidato: "Lula é nosso presidente, Wagner é ogovernador, Pinheiro é nosso companheiro, prefeito deSalvador". Então, num pronunciamento mais inflamado, Wagner disse quedos três candidatos de sua base --aí inclui-se também oprefeito João Henrique, que pleiteia a reeleição pelo PMDB--, por óbvios motivos se identifica mais com Pinheiro. "O PT foi opartido que ajudei a construir e do qual fui o primeiropresidente", justificou. Em seu discurso, Pinheiro cobrou a militância dogovernador, fundamental para que possa sair do incômodo ultimolugar nas pesquisas de intenção de voto. "O partido dopresidente Lula e do nosso governador é o PT", repetiu. Num tom menos emocional, o discurso dos tucanos mostrou-sefocado na aceitação e na baixa rejeição do ex-prefeitoImbassahy entre o eleitorado. Ele é o segundo colocado naspesquisas com cerca de 23 por cento das intenções de voto, doispontos percentuais atrás do candidato do DEM, o deputadofederal Antônio Carlos Magalhães Neto. "É o candidato mais preparado, mais capacitado para gerir acidade", sintetizou o Jutahy Magalhães, também membro dabancada baiana na Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.