Rovena Rosa/Agência Brasil
Rovena Rosa/Agência Brasil

Goldman pede desculpas por acusar gestão Doria de dirigir licitações

Prefeito de São Paulo chegou a cogitar processar ex-governador por afirmações, mas recuou

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2017 | 19h12

O ex-governador de São Paulo Alberto Goldman publicou nesta terça-feira, 10, em seu blog uma mensagem na qual disse ter cometido uma “injustiça” ao dizer que todas as licitações da Prefeitura de São Paulo eram dirigidas. 

A acusação foi feita por ele em um vídeo publicado na sexta-feira, 6, nas redes sociais com críticas ao prefeito João Doria. “No meu post em que critico a ausência do prefeito João Doria na direção da cidade de São Paulo, cometi um equívoco e, consequentemente, uma injustiça que me cabe, humildemente, corrigir”, disse Goldman, que é vice-presidente nacional do PSDB. 

“Baseado em observações pessoais e em decisões do Tribunal de Contas do Município, eu disse que todas as licitações da atual administração eram dirigidas, com editais que já predeterminam as empresas que vão ganhar. Cometi o equívoco ao usar a expressão todas”. 

+ Aprovação a Doria cai para 32%, aponta pesquisa

Goldman afirmou, porém, que “em alguns casos” parece ter havido direcionamento. “Mas não tenho elementos suficientes para afirmá-lo sem margem de erro. Além disso a simples impugnação do TCM não é suficiente para confirmar o direcionamento”, escreveu ele. 

Em sua autocrítica, o ex-governador disse que foi “apressado e injusto” com alguns servidores da Prefeitura. “Peço que me desculpem”, concluiu. 

+ Doria deveria aprender a ter lealdade, diz Haddad

O vídeo publicado por Goldman foi o estopim de mais uma crise interna no PSDB. 

Em resposta, o prefeito João Doria gravou e publicou uma mensagem nas redes sociais no qual o chama o ex-governador de “fracassado”, “improdutivo” e que “vive de pijamas”.

Antes de gravar sua resposta, o prefeito cogitou processar Goldman por calúnia, mas desistiu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.