Goldman nega crime eleitoral em uso de imagem de Lula por Serra na TV

Governador de SP descartou problemas no TSE e ainda rebateu a candidata do PT: 'Ela é patética'

Anne Warth, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 11h57

SOROCABA, SP - O governador de São Paulo, Alberto Goldman, afirmou que o uso de imagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de José Serra (PSDB) na TV não configura crime eleitoral. Na avaliação dele, as fotos mostram o presidente ao lado do então governador do Estado. "Qual é o mal disso?", questionou, durante a inauguração do campus de Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos.

 

Veja também:

Serra 'quer sentar na garupa' de Lula, diz Padilha

Relembre: Serra abre propaganda com imagens de Lula

Guerra pressiona aliados a exibir presidenciável na TV

"A legislação proíbe que alguém vá a alguma apresentação na TV ou em outro lugar de um outro candidato. Não proíbe a apresentação de fotografia. Isso é o fim do mundo", disse, em referência ao anúncio do presidente do PT, José Eduardo Dutra, de que ira entrar com representação contra Serra com base no artigo 54 da legislação eleitoral.

Na avaliação de Goldman, as fotografias representam a história e não são uma tentativa de confundir o eleitor. "Estou eu aqui e o presidente da República. Se eu mostrar amanhã a fotografia em que aparecemos juntos, estaremos cometendo algum crime? Acho que não", disse. "Eu convivi com Lula e caminhei de mãos dadas com ele na época das greves do ABC, em 1978. Não sou candidato a nada, mas se amanhã eu fizer uma campanha, não vou poder apresentar a fotografia?"

Sobre as declarações da candidata Dilma Rousseff (PT), que classificou de patética a tentativa de Serra de associar seu nome ao do presidente Lula, Goldman alfinetou: "Ela é patética".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.