Goldman: não há problema no MPF apurar obra do metrô

O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), disse hoje que não se opõe à participação do Ministério Público Federal (MPF) na investigação de supostas irregularidades nos contratos de licitação dos lotes 3 a 8 da Linha 5 - Lilás da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô). O tucano afirmou, no entanto, que acredita no bom trabalho do Ministério Público de São Paulo (MP-SP). "Se o MPF entender que cabe a ele fazer isso (entrar nas investigações), não há problema nenhum. Mas temos a absoluta confiança no MP-SP, não há necessidade de chamar o FBI e a ONU (Organização das Nações Unidas)", ironizou.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

28 de outubro de 2010 | 14h42

Na opinião do governador, só haveria necessidade de participação do MPF caso tivesse envolvimento de recursos federais nas licitações. No processo, há recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) empenhados, o que abre a possibilidade da atuação do MPF no caso. Goldman defendeu que a investigação seja rápida para que não haja comprometimento no prazo de entrega das obras. O governador disse que os contratos já foram assinados, mas que nada impede que sejam rescindidos.

"Se tivermos de romper esses contratos e reiniciar um processo licitatório, nós vamos ter meses ou anos de atraso na Linha 5. Isso é um prejuízo para todos", ponderou o governador, referindo-se à possibilidade de rescisão dos contratos. Goldman disse que tem "a absoluta convicção que, dos agentes públicos, não há nenhuma responsabilidade nisso". "Acordos podem ser feitos entre os empresários e é isso que a gente tem de verificar se houve."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.