Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

Goldman, Kassab e Chinaglia destacam dedicação de Barradas à causa pública

Políticos compareceram ao velório do secretário da Saúde de São Paulo, morto neste sábado

Chiara Quintão, da Agência Estado / SÃO PAULO,

18 Julho 2010 | 13h42

O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), lamentou neste domingo, 18, a morte do secretário estadual de Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, no velório que acontece na Santa Casa de São Paulo. Goldman se referiu a ele como "um homem dedicadíssimo à causa pública". "Raras pessoas eu conheci na minha vida que tiveram tanto compromisso com a vida das pessoas", afirmou Goldman, que disse ter recebido a notícia ontem à noite com muita tristeza e que o deixou bastante abalado.

 

Serra: 'A saúde do Brasil deve muito a ele'

Temporão lamenta morte

Morre Luiz Roberto Barradas

 

O governador lembrou que toda a vida do secretário foi dedicada à saúde pública e nos últimos anos ligada também ao serviço público. "Todos os avanços que tivemos no Estado de São Paulo nos últimos anos tiveram a participação decisiva dele. A cabeça dele estava envolvida em tudo isso." Nos últimos três meses, Goldman teve dez encontros com Barradas.

 

O deputado federal José Aníbal (PSDB-SP), que foi ao velório do corpo de Barradas no final da manhã, ressaltou o papel do secretário na melhora do atendimento às pessoas por meio dos Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) e da distribuição de medicamentos. "Ele era cheio de entusiasmo e vida. Aí acontece isso e nos deixa transtornado. Como alguém com tanta vitalidade, iniciativa e programas de trabalho de atendimentos às pessoas desaparece de forma absolutamente imprevisível? É muito doloroso", declarou Aníbal.

 

Também presente ao velório pela manhã, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), disse que Barradas era uma pessoa muito querida e respeitada, um cidadão exemplar e um profissional competente. Para Kassab, o secretário foi um homem público que deixou como legado "boas ações e bons projetos". "Foi um grande assessor e apoiou pessoas como Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Mário Covas. Foi bom também no comando como secretário. Sua morte foi inesperada para todos e deixa uma grande lacuna como cidadão e homem público", disse Kassab.

 

O deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP) lamentou a morte do secretário "no plano da saúde pública, pessoal e para a família também". "Estou triste porque além da função pública, qualquer ser humano me sensibiliza morrendo numa idade em que é útil para a sociedade." Chinaglia e Barradas trabalharam juntos em Osasco (SP). "Tivemos uma relação pessoal antiga independente da função pública dele ou minha."

 

O secretário estadual de Educação de São Paulo, Paulo Renato Souza, o secretário estadual de Cultura, Andrea Matarazzo, e o deputado federal Arnaldo Madeira (PSDB-SP) também compareceram ao velório pela manhã.

 

Ataque cardíaco

 

Em nota de pesar, o presidente do PSDB de São Paulo, Antonio Carlos Mendes Thame, declarou que "neste momento de tristeza, queremos expressar nosso profundo pesar pela perda do estimado amigo Luiz Roberto Barradas. Excepcional homem público e amigo de todas as horas, Barradas nos deixa uma história de dedicação à causa pública. Competente, íntegro e leal, Barradas sempre foi motivo de orgulho para todos nós do PSDB de São Paulo. Aos seus familiares, externamos nosso profundo sentimento."

 

O corpo será cremado nesta segunda-feira, 19, no cemitério da Vila Alpina, em cerimônia restrita aos familiares e amigos e fechada para o público. O velório acontece no salão nobre da Provedoria da Santa Casa de São Paulo, que está aberta ao público até às 22 h.

 

Luiz Roberto Barradas Barata morreu no sábado à noite em decorrência de um ataque cardíaco. Barradas estava à frente da secretaria desde 2003, quando Geraldo Alckmin assumiu o governo. Segundo a assessoria da Secretaria de Saúde, Barradas, de 57 anos, estava de férias em Ubatuba, no litoral norte do Estado, quando passou mal e foi encaminhado ao Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, na zona sul de São Paulo. Segundo nota oficial, Barradas faleceu por volta das 20h50.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.