Goldman: é 'muito difícil' fazer prévias com legitimidade

Para o vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman, Aécio "fez o que devia fazer", concedendo ao jornal O Estado de S. Paulo uma "entrevista politicamente correta". Quanto às prévias, no entanto, ele confessa que "sempre" teve restrição a elas e adverte que considera "muito difícil" fazer uma eleição prévia com legitimidade. E fala do alto de sua experiência, lembrando que, em 1996, disputou prévias no PMDB para a prefeitura de São Paulo, contra José Aristodemo Pinotti e João Leiva.

AE, Agência Estado

10 de outubro de 2011 | 21h03

"Foi um inferno. O processo foi tão fraudulento, que o juiz eleitoral mandou cancelar e se fez convenção partidária normal", recorda. Baseado neste "trauma", Goldman avalia que, no atual momento, não tem nada mais democrático do que uma convenção para escolher candidatos, com representantes de todos os Estados e de todas as instâncias partidárias. O problema é que lei só permite convenção para a escolha de candidatos a 90 dias da eleição, o que inviabiliza uma disputa interna tão próxima do pleito.

Neste cenário, Goldman concorda que há tempo para se tentar aperfeiçoar o processo, uma vez que o assunto só será tratado depois das eleições municipais. "Vamos ter a experiência estadual para ver como tirar lições para 2014", conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
AécioGoldmanPSDBprévias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.