DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Goiás vai fazer fiscalização para evitar aglomerações, diz Caiado

Medida anunciada pelo governador visa cumprir determinação judicial que proíbe manifestações até 30 de abril

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2020 | 10h00

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), afirmou que já informou os órgãos competentes para que iniciem uma fiscalização a fim de impedir aglomerações e manifestações pelo Estado. O anúncio foi feito neste domingo, 29, através da conta do governador pelo Twitter.

A fiscalização, segundo explicou Caiado, tem por objetivo cumprir uma determinação do Tribunal de Justiça de Goiás, que atendeu a um pedido do Ministério Público para proibir aglomerações e manifestações de qualquer natureza até o dia 30 de abril.

"A decisão do magistrado diz buscar a preservação da saúde dos goianos e determina que o Estado garanta o cumprimento. Será cumprido conforme a justiça determinou! Já informei a todos os responsáveis pela fiscalização em Goiás que a justiça proibiu manifestações e aglomerações", escreveu o governador.

Caiado tem defendido a adoção de medidas mais restritivas no combate ao coronavírus desde que a doença foi registrada no Brasil. O governador chegou a ser hostilizado durante uma manifestação pró-governo em Goiânia, no dia 15 de março, ao pedir que as pessoas voltassem para casa para evitar possíveis contágios.

O governador também rompeu politicamente com o presidente Jair Bolsonaro, a quem apoiou desde a campanha eleitoral de 2018, após criticar a postura do presidente em relação ao enfrentamento do coronavírus. Caiado foi um dos responsáveis pela indicação de Luiz Henrique Mandetta, também filiado ao DEM, para o Ministério da Saúde.

Em entrevista ao Estado, Caiado diz que decidiu romper o canal direto com o presidente porque ele “atrapalhou” o País e “gerou uma crise de governabilidade” depois questionar na TV medidas de isolamento. Médico e ruralista, o governador sugere que Bolsonaro “desative” o “gabinete do ódio”, como é conhecido o grupo de assessores ideológicos que o ajudaram a redigir o discurso do pronunciamento em cadeia nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.