Goiás pode retaliar produtos paulistas

A Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás se comprometeu a estudar uma maneira de retaliar a entrada de produtos paulistas em seu território. A medida seria aplicada em conjunto com os outros Estados (Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Paraná) que estão tendo seus produtos obrigados a recolher o ICMS integral em São Paulo. "Podemos usar a mesma arma que São Paulo está usando ou até taxar a barreira", afirmou Ciro Miranda, presidente da Associação Pró-Desenvolvimento Industrial de Goiás (Adial)."Quero dar um recado àqueles que, preocupados com o crescimento de Goiás, começam a botar suas mangas de fora", discursou Marconi durante a inauguração de uma fábrica de papel em Goiânia. "Não querem aceitar o novo papel assumido pela economia de Goiás, não querem aceitar o fato de Goiás dispor de um clima favorável a uma produção mais barata que em outros Estados." O governo goiano ainda decidiu preparar uma estratégia de defesa junto ao Supremo Tribunal Federal (STF)O Estado de São Paulo obrigou as empresas de fora a recolher a diferença do imposto que elas têm como crédito em seus Estados, neutralizando a concorrência. Na prática, os produtos que chegavam ao território paulista mais baratos, agora chegam mais caros. "O produto só entra em Sâo Paulo se cumprir a exigência do governo paulista", conta o secretário da Indústria e Comércio de Goiás, Willmar Guimarães.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.