Gloria Trevi vira pivô de desentendimento diplomático

A cantora mexicana Gloria Trevi tornou-se desde esta sexta-feira o pivô de um desentendimento diplomático. Autoridades mexicanas descumpriram o acordo fechado na semana passada com o Brasil, segundo o qual a artista deveria embarcar no vôo da Aeroméxico que decolou aos 45 minutos desta sexta do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, para a Cidade do México.Ela deverá responder naquele país às acusações de corrupção de menores e rapto. Alegando que o vôo não oferecia condições de segurança à cantora por ter entre seus passageiros vários jornalistas, os policiais mexicanos que deveriam escoltá-la na viagem para o México desistiram de embarcar poucos minutos antes da decolagem.Às 9 horas desta sexta, um avião fretado pela Procuradoria do México aterrissou em Cumbica com oobjetivo de transportar a artista. No entanto, o governo brasileiro não autorizou a viagemno avião fretado sob o argumento de que o combinado foi que ela viajaria em um vôo decarreira.Enquanto não houver uma definição, Gloria e seu filho de 10 meses, Angel Gabriel, correm o risco de permanecer em uma sala da Polícia Federal localizada no aeroporto. Mas se a solução demorar muito eles podem ser transferidos para a Custódia da Polícia Federal em São Paulo ou retornar para Brasília.O governo mexicano tem 60 dias para retirar Gloria do Brasil, contados desde 12 de dezembro. Se esse prazo vencer, ela será libertada. Nesta sexta, o diretor do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça, Luiz PauloTelles Barreto, disse que o governo brasileiro foi surpreendido com a notícia e queestava irritado com a falta de cumprimento do acordo.?Não acreditamos que jornalistas coloquem em perigo a segurança da extraditanda (Gloria Trevi)?, afirmou Barreto. O diretor disse que a cantora chegou a fazer o check-in em Cumbica, mas não embarcou. Além disso, ele disse que teve informações de que o avião fretado pelaProcuradoria mexicana decolou para o Brasil antes que a cantora fizesse o check-in emCumbica para o vôo da Aeroméxico."O governo brasileiro não autorizou a viagem no vôo fretado?, disse Barreto. Glori Trevi, seu ex-marido e ex-empresário Sergio Andrade e a ex-ajudante Maria Raquenel, a Mary Boquitas, foram presos em janeiro de 2000 no Rio de Janeiro. Os três são acusados pelo governo do México de corrupção de menores e rapto.Há dois anos, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concederam a extradição dos três. Mas eles ainda não viajaram por causa de uma série de recursos e incidentes. Além doocorrido nesta sexta no aeroporto, o fato de a cantora ter engravidado quando estava presana Superintendência da Polícia Federal em Brasília contribuiu para o atraso.Na época, Gloria insinuou que havia sido vítima de um estupro carcerário. Mas um exame de DNAdetectou que o pai de Angel Gabriel é Sergio Andrade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.