Gloria Trevi deixa prisão para embarcar para o México

Depois de uma novela de quase trêsanos, a cantora mexicana Gloria Trevi deixou nesta sexta-feira a delegacia em que estava presaem Brasília, para uma viagem de retorno ao México, onde deverá respondera acusações de corrupção de menores e rapto.Junto com a artista foram seu filho,Angel Gabriel, de 10 meses, e quatro policiais mexicanos. Ela viajou para São Paulo em um vôo marcado para as 19 horas. No Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, ela deveria embarcar em um vôo da Aeroméxico, cuja partida estava marcada para os 45 minutos desta sexta-feira.A viagem de Gloria encerra uma polêmica de quase três anos, iniciada em janeiro de 2000, quando acantora foi presa no Rio de Janeiro junto com seu ex-marido e ex-empresário Sergio Andrade e com a ex-assistente Maria Raquenel. Assim como Gloria, os dois são acusados no México de corrupção de menores e rapto.Em dezembro de 2000, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concederama extradição dos três, a pedido do governo mexicano. De lá para cá, porém, uma sériede incidentes e recursos judiciais atrasaram a viagem dos mexicanos. O principal e maisrumoroso deles foi a gravidez da cantora, noticiada em meados de 2001.O bebê foi concebido na Superintendência da Polícia Federal em Brasília, onda ela estava presa. Na época, a cantora disse que havia sido vítima de estupro carcerário. Mas um examede DNA divulgado pela Polícia Federal detectou que o pai de Angel Gabriel é SergioAndrade.Depois que engravidou, Gloria Trevi foi transferida para o presídio da Papuda, emBrasília. Quando estava perto de dar à luz, foi levada para um hospital público, ondepermaneceu por vários meses, mesmo depois do nascimento do filho. Em seguida,passou também uma temporada num convento de freiras, até ser definitivamenterecolhida à delegacia onde se encontrava ao receber a notícia da extradição.O último recurso que impedia a extradição da cantora foi um pedido feito ao Ministérioda Justiça para que ela fosse considerada refugiada. Seus advogados alegaram que, noMéxico, ela era vítima de perseguição política. No mês passado, no entanto, o governonegou a solicitação, abrindo caminho para que Gloria Trevi fosse finalmenteencaminhada de volta a seu país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.