André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Gleisi Hoffmann clama por união da esquerda em defesa de Lula

Senadora participa de ato com parlmentares do PT, PSOL, PSB, PCdoB e PCO no Rio de Janeiro

Roberta Pennafort e Renata Batista, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 20h06

RIO DE JANEIRO - A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), convocou os partidos de esquerda a se unirem em torno da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que poderá ser preso a partir da próxima quarta-feira, 4, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) irá deliberar sobre seu habeas corpus preventivo.

+ Defesa de Lula entrega ao STF parece de José Afonso contra prisão em 2ª instância

“A história vai nos cobrar por esse momento, pelo enfrentamento das forças do atraso. O que nos une é muito mais importante do que o que nos separa. Neste momento, temos que deixar de lado as nossas divergências, as nossas candidaturas”, disse a senadora, na noite desta segunda-feira, 2, no Rio. Ela participa de ato no Circo Voador em defesa de Lula, com a presença de parlmentares do PT, PSOL, PSB, PCdoB e PCO.

+ Atos pela prisão do Lula devem ocorrer em mais de 100 cidades e quatro países

“Temos que lutar pelo Brasil, pelo povo brasileiro, pela democracia, pela nossa Constituição. É isso que o povo espera de nós. Por isso a tarefa mais importante é que a gente forme uma grande ampla frente democrática e progressista”, afirmou Gleisi.

Lula foi condenado em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região a 12 anos e um mês de prisão em janeiro, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex do Guarujá. A decisão ratificou a proferida pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba em julho do ano passado. + Líder do PT critica manifesto de procuradores e juízes por prisão em 2ª instância

Agora, os ministros irão votar se a execução da pena passa a valer ainda que haja recursos pendentes no Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou mesmo no STF.

O ato no Circo Voador foi batizado de “Em defesa da democracia – Justiça para Marielle”, menção à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no dia 14 na região central do capital.

Com capacidade para cerca de 2 mil pessoas, a casa de espetáculos está lotada de apoiadores do ex-presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.